TAP pede 250 milhões à banca para pagar contas e sobreviver até à venda

Financiamento que inclui a CGD serve para retirar pressão das contas do grupo, já que a privatização difi culta a relação com os bancos. Venda e aluguer dos A340, que renderia 40 milhões, foi suspensa.

Foto
TAP perdeu o administrador financeiro este mês, num momento crítico para a empresa Miguel Manso

Além do banco público, a companhia de aviação já contactou diferentes instituições financeiras para garantir um empréstimo que, no mínimo, lhe possibilite ter rapidamente acesso a 200 milhões de euros. Mas a expectativa é que o valor possa chegar aos 250 milhões. O contrato, que começou a ser negociado ainda pelo administrador financeiro que renunciou ao cargo no início de Dezembro, ainda não foi fechado, mas espera-se que tal aconteça em breve.

A necessidade de contratar este empréstimo nesta altura tornou-se urgente face ao relançamento da privatização do grupo, que o Governo aprovou a 13 de Novembro e que terá como assessor o Citigroup. Regra geral, estes processos causam instabilidade nas relações com a banca, tornando mais difícil o acesso ao crédito, a renegociação de financiamento e a gestão dos reembolsos, que podem ter de ser feitos mais rapidamente. 

E, ao contrário do que aconteceu aquando da primeira tentativa de venda, no final de 2012, a TAP já não pode recorrer à Parpública, que nesse ano lhe concedeu um financiamento de 100 milhões de euros. A holding que gere participações do Estado em empresas passou a estar directamente incluída no perímetro do Estado, pelo que qualquer operação deste tipo teria efeitos negativos imediatos nas contas públicas.

Um dos pontos que tem dificultado a concretização deste empréstimo junto de um sindicato bancário é o facto de a companhia de aviação não poder contar com o aval do Estado, o que permitiria reduzir o risco de incumprimento e, logo, melhorar as condições oferecidas pelas instituições financeiras.

A TAP soube, desde o início, que o aval era uma carta fora do baralho, porque as regras comunitárias impedem que sejam dadas estas garantias a empresas do sector quando o accionista é público, já que são consideradas ajudas de Estado. E, por isso, o tema nunca foi discutido entre a administração do grupo e o Governo.

Questionada sobre as negociações para obter o empréstimo de 250 milhões de euros, fonte oficial da companhia de aviação respondeu que “tem relações com diversos bancos, nacionais e estrangeiros, não comentando em público nem as operações, nem os montantes, nem os motivos de quaisquer operações”.

40 milhões em stand-by
Além de prevenir a escassez de crédito e as dificuldades normais que um processo de privatização acarreta, este financiamento é vital num momento em que a tesouraria da TAP está frágil. A falta de meios tem, aliás, obrigado a companhia a fazer uma gestão criteriosa dos pagamentos a fornecedores, optando por negociar prazos mais alargados para saldar contas.

A transportadora aérea teve bons resultados no primeiro semestre deste ano, mas os meses seguintes  trouxeram problemas que estão longe de resolver. Um deles foi a queda da procura no Brasil, já que muitos passageiros evitaram viajar para o país por causa do Mundial de futebol, e, por outro lado, muitos brasileiros ficaram em casa. A maior consequência foi a redução a pique dos preços, com consequências directas para as receitas da empresa.

Depois, veio um Verão, época de ouro para o sector, com sucessivos cancelamentos e problemas técnicos, fruto da falta de pessoal e do atraso na entrega de seis novos aviões. O ciclo de greves que se iniciou em Agosto também causou um rombo nas contas da TAP, tendo sido cancelados quase 900 voos este ano por causa de protestos dos trabalhadores. E os sindicatos que agendaram uma paralisação de quatro dias entre o Natal e o Ano novo ainda não decidiram se vão suspendê-la, tendo em conta que o Governo aprovou uma requisição civil para garantir a normalidade da operação.

Por fim, a companhia tem tido dificuldades em recuperar as receitas geradas com a venda de bilhetes na Venezuela e em Angola. No primeiro caso, a dívida já supera os 100 milhões de euros, e, de acordo com fonte oficial da TAP, “não há evolução” no seu pagamento. Já em relação a Angola, onde chegaram a estar retidos quase 30 milhões de euros, “a situação está praticamente normalizada no histórico dos montantes e dos prazos”, garantiu.

Em Novembro, e perante o incómodo do Governo com os problemas de tesouraria da empresa, a TAP apresentou um plano para recuperar o fôlego, que passava por ajustes na oferta e por uma operação de sale and leaseback (venda e aluguer) dos quatro A340. Mas este último objectivo, que permitiria encaixar cerca de 40 milhões de euros, foi suspenso. 

As condições apresentadas pelo potencial comprador, uma empresa de leasing estrangeira, não foram satisfatórias porque implicavam custos demasiado elevados. A privatização e a fragilidade da tesouraria condicionaram o negócio. E, por isso, a operação foi adiada, deixando de ser considerada uma prioridade. “As negociações continuam a decorrer”, respondeu a TAP, recusando-se a confirmar o valor em causa.

Toda esta instabilidade não pode ser dissociada da renúncia do administrador financeiro do grupo, Luís Rodrigues. A sua saída foi justificada com razões pessoais, mas também está relacionada com o incómodo que os problemas de tesouraria da TAP criaram no Governo, nomeadamente nos secretários de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, e do Tesouro, Isabel Castelo Branco. O desconforto originou, aliás, uma reunião de emergência, em Novembro, no Ministério das Finanças.

E o facto de este gestor, que só esteve no cargo oito meses, ser o interlocutor com a banca e com a empresa de leasing a quem iriam ser entregues os A340 não facilita nenhuma das operações. Luís Rodrigues era também quem interagia com os potenciais investidores na privatização da TAP e com os sindicatos que convocaram a greve em Dezembro.