Resultados da avaliação da FCT: 11 centros excepcionais e 52 excelentes

Anunciados os resultados da segunda, e última, fase da avaliação a 322 unidades de investigação portuguesas.

Foto
Miguel Seabra, presidente da Fundação para a Ciência e a Tecnologia Nuno Ferreira Santos (arquivo)

Eis os resultados da avaliação aos centros de investigação portugueses anunciados, esta segunda-feira, em conferência de imprensa pela secretária de Estado da Ciência, Leonor Parreira, e pelo presidente da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), Miguel Seabra: 11 centros foram classificados com Excepcional e 52 com Excelente. Em conjunto, as notas destes 63 centros com Excepcional e Excelente vão traduzir-se num financiamento de 47 milhões de euros por ano para despesas de funcionamento e actividades estratégicas – com os 11 centros a receberem 13 milhões de euros e os 52 centros os restantes 34 milhões.

No total, há 71 milhões de euros por ano, segundo anunciaram agora os responsáveis pela política científica, para despesas de funcionamento e actividades estratégicas, até 2020 (até há pouco tempo, Miguel Seabra mencionava que esse bolo total era de cerca de 50 milhões de euros anuais). Outros resultados: há ainda 104 centros de investigação classificados com Muito Bom, que vão receber um total de 23 milhões de euros por ano.

Estiveram em avaliação 322 centros de investigação. Os resultados da primeira fase deste processo, divulgados inicialmente no final de Junho numa conferência no Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa, concluíram, já depois de apreciadas as reclamações, que 144 centros não passavam à segunda fase da avaliação – o que significa que tiveram Insuficiente, Razoável ou Bom. As duas primeiras classificações não dão direito a qualquer financiamento, nem sequer para despesas correntes, e a última se traduzirá em algum financiamento deste tipo (até 40.000 euros no máximo).

À segunda fase passaram 178 centros, classificados acima de Bom – porque com Bom ficavam para trás na primeira fase da avaliação – e foram esses que agora tiveram os resultados divulgados, numa conferência de imprensa no Ministério da Educação e Ciência (MEC). Nos resultados anunciados esta segunda-feira, verifica-se que os centros classificados com Bom, no total, incluindo as duas fases da avaliação, são 90 – nove dos quais tiveram esta nota nesta última fase do processo. Segundo os regulamentos da FCT, depois de passar para a segunda fase da avaliação, era possível voltar a ter Insuficiente, Razoável, Bom, além das notas mais altas que vão de Muito Bom até Excelente e Excepcional.

Os 90 centros com Bom vão partilhar entre si, por ano, um milhão de euros, financiamento para despesas. Além disso, o MEC decidiu entretanto disponibilizar para 52 dos centros com Bom (com as notas mais altas dentro desta classificação) um fundo de reestruturação no valor total de seis milhões de euros, neste caso disponível até 2017.

Além de nove centros classificados com Bom na segunda fase, houve ainda dois que tiveram Razoável nesta última fase da avaliação. Assim, no total, os centros com Razoável são 33. Por fim, há 32 centros com nota Insuficiente, que já tinham tido essa nota na primeira fase.

Este processo de avaliação, que a FCT encomendou à European Science Foundation, com sede em Estrasburgo (França) mediante um contrato, tem gerado várias críticas de diversas instituições e cientistas.


Notícia corrigida às 16h35: os 52 centros de investigação com Bom poderão aceder a um fundo de reestruturação de seis milhões de euros e não, como no início se referiu, a fundos estratégicos.