A descoberta de uns frescos do final do século XV numa igreja em Abrantes

Em Novembro, na sequência de trabalhos de conservação e restauro na Igreja de Santa Maria do Castelo, foram descobertos uns frescos que abrem uma nova página na história de Abrantes

Foi na igreja do Castelo de Abrantes que os frescos (à direita) foram descobertos.
Foi na igreja do Castelo de Abrantes que os frescos (à direita) foram descobertos. Enric Vives-Rubio
Foi na igreja do Castelo de Abrantes que os frescos (à direita) foram descobertos
Foi na igreja do Castelo de Abrantes que os frescos (à direita) foram descobertos Enric Vives-Rubio
Câmara quer tirar todos os azulejos dessa parede
Câmara quer tirar todos os azulejos dessa parede Enric Vives-Rubio
Câmara quer tirar todos os azulejos dessa parede
Câmara quer tirar todos os azulejos dessa parede Enric Vives-Rubio
Fotogaleria

Em Abrantes nada como dantes. Pelo menos num dos principais monumentos da cidade, a Igreja de Santa Maria do Castelo, que começa a ganhar uma nova vida depois de a câmara abrantina ter apostado na recuperação do seu património. No mês passado, foram descobertos nesta igreja frescos de finais do século XV, inícios do século XVI. Estavam escondidos debaixo dos azulejos que decoram a igreja desde que há memória. A câmara quer agora retirar todos os azulejos de uma das paredes para poder dar uma nova vida ao espaço. Falta apenas a autorização da Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC).

Quando se entra no Castelo de Abrantes, a Igreja de Santa Maria do Castelo, ao cimo, o que nos salta à primeira vista é o seu portal gótico e a vista privilegiada sobre a cidade. Está classificada como monumento nacional desde 1910, há ainda histórias por contar. Principalmente depois da mais recente descoberta: as pinturas a fresco que estão num estado de conservação notável.

“Quando começámos o trabalho, ainda em 2013, nunca achámos que pudéssemos descobrir isto”, diz ao PÚBLICO Alice Cotovio da Mural da História, empresa contratada pela Câmara Municipal de Abrantes para fazer uma intervenção de conservação na igreja com foco na pintura também a fresco do altar, já desgastada pelo tempo. Tão desgastada que é muito difícil perceber o que ali um dia foi pintado.

Mas o que seria apenas um trabalho essencialmente de conservação, como conta José Artur Pestana da mesma empresa, tornou-se em algo maior do que isso em pouco tempo. Nas paredes laterais da capela-mor da igreja, que abriga o Museu Regional D. Lopo de Almeida, o primeiro conde de Abrantes, estão os túmulos deste e do seu pai D. Diogo de Almeida, que se notou precisarem também de uma intervenção. À volta dos túmulos, apenas azulejos, e em cima uma pintura que evoca os símbolos heráldicos dos Almeida — uma espécie de barril a explodir.

“Foi quando começámos a mexer nisto tudo que descobrimos que os azulejos estavam completamente destacados da parede, havia zonas em que se conseguia meter a mão quase inteira”, diz o conservador, explicando tratarem-se de exemplares do século XVI. “Não são descartáveis, são importantíssimos e estavam totalmente descolados, apenas seguros uns pelos outros”, continua, espantado por nunca antes ter acontecido nada. “Podiam ter caído todos.”

Nessa altura, os trabalhos pararam e avisou-se a DGPC daquela situação de risco. “Tivemos de suspender tudo, houve uma mudança de planos para a qual precisávamos de nova autorização”, conta José Artur Pestana.Um ano depois, em Junho, a DGPC deu luz verde para a intervenção dos conservadores e foi então que se começou o trabalho de consolidação dos azulejos.

E, mais uma vez, o inesperado aconteceu: “O afastamento que os azulejos tinham em relação à parede permitiu-nos ver que a pintura de cima continuava.” “Isto veio acabar com uma das grandes bases da historiografia abrantina de que os azulejos são de origem — não são. Removendo alguns azulejos e analisando pelo tipo de reboco que tem, o tipo de areia, percebemos que só foram colocados aqui depois”, explica, argumentando ainda que não houve um critério na colocação daqueles azulejos. “Há um grande desfasamento, acabam a alturas diferentes, têm vários padrões, isto foi um reaproveitamento, agora de onde, não sabemos, mas que é anormal esta amálgama de azulejos, isso é.”

Para o conservador, mais estranho ainda é o facto de estes azulejos terem sido colocados sem que se tivesse picado a parede. “A pintura não foi picada para receber o reboco, portanto o que temos aqui são duas paredes lisas encostadas uma contra a outra. Isto não faz sentido, não se entende, qualquer pedreiro minimamente informado, picava a parede”, explica.

Ao perceber que havia uma pintura por baixo e que esta não estava picada, os técnicos pediram então autorização à tutela para remover umas fileiras de azulejos de forma a perceber realmente o que estava por baixo. “E apareceram estas pinturas figurativas completamente fora de qualquer coisa que pudéssemos estar à espera.”

As pinturas figurativas de que José Artur Pestana fala parecem representar, segundo Luís Urbano Afonso, do Instituto de História da Arte, da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, “figuras de profetas com excertos de textos alusivos a temas de morte e ressurreição”. “Tema que se adequa plenamente a este espaço, transformado em capela-funerária, ou mesmo panteão, dos Almeidas”, explica ao PÚBLICO o professor, que já teve oportunidade de ver estes frescos.

Para Luís Urbano Afonso, esta descoberta não é uma inteira novidade, uma vez que há muito tempo que a igreja tem à vista pinturas a fresco no arco triunfal e na capela-mor, na parede do fundo e nas partes altas das paredes laterais. “Adivinhava-se que algo mais existia, mas pensava-se que seria uma simples continuação do mesmo padrão heráldico que está visível na parte alta das paredes”, continua, destacando “o tema que representam e o bom estado de conservação que possuem, sobretudo quando comparadas com as muito desgastadas, e planiformes, pinturas murais que estavam à vista”.

“Estas pinturas reforçam ainda as ligações a um conjunto que seguem os mesmos modelos, feitas na mesma época, visíveis no Paço de Sintra, na Igreja de S. Francisco de Leiria, na Igreja de S. Leonardo na Atouguia da Baleia e em mais alguns locais”, acrescenta ainda o professor. Identificar o autor das pinturas é que pode ser mais difícil. “Na pintura mural muito pouca coisa ficava registada, podemos apenas comparar com outros exemplos da zona e da época”, diz Alice Cotovio.

Os trabalhos, entretanto, pararam novamente. Mais uma mudança de planos, mais uma autorização da DGPC é necessária. Tendo em conta a descoberta, o que os especialistas da Mural da História propõem fazer é retirar os azulejos de toda a parede lateral onde foram encontradas as pinturas. “Não sou adepto que se remova tudo. Numa parede não há grande coisa, mas nesta tendo a certeza, porque não?”, questiona Artur José Pestana. E Alice Cotovio atira: “O que é certo é que estes azulejos não eram daqui.”

Para o técnico o que está em causa é pôr a descoberto “uma decoração verdadeiramente contemporânea da igreja”. Admite que esta possa ser uma decisão arrojada, mas não tem dúvidas de que é o passo certo a dar. Do seu lado tem a presidente da Câmara Municipal de Abrantes, Maria do Céu Albuquerque, que espera apenas a autorização da Direcção-Geral do Património Cultural. O PÚBLICO questionou a DGPC mas não teve resposta.

“É claro que é sempre mexer no património, as pessoas sempre se habituaram a ver a igreja assim, mas é preciso perceber que não queremos desvirtuar o património, mas sim valorizá-lo”, diz ao PÚBLICO a autarca, explicando que com os azulejos que se retirarão da parede criar-se-á “um painel amovível para que possa contar a história deste acontecimento”.

Maria do Céu Albuquerque fala de “uma nova página que se abre na história de Abrantes”. Quanto à Igreja de Santa Maria do Castelo, a intenção da câmara, diz, é continuar a investir na investigação. “Abrantes tem uma história rica que vamos descobrindo à medida que a vamos estudando é por isso que o investimento no património é tão importante”, acrescenta, revelando que na igreja deixará em breve de funcionar o Museu Regional D. Lopo de Almeida. “Temos um projecto para reabilitar um outro edifício do nosso centro histórico para instalar o museu e assim transformar aquela igreja no Panteão dos Almeidas.”