Mais carapau e lagostim: Portugal consegue aumento de 18% nas quotas de pesca

Acordo alcançado em Bruxelas é considerado “histórico” pelo Ministério da Agricultura e agrada aos armadores de pesca.

Quota de carapau foi a que mais aumentou:67%
Foto
Quota de carapau foi a que mais aumentou:67% Rui Gaudêncio

No próximo ano os pescadores portugueses vão poder pescar mais peixe, sobretudo carapau (67%), tamboril (14%), biqueirão (10%) e lagostim (15%). O acordo alcançado na noite desta terça-feira em Bruxelas terminou com um aumento global de 18% da quota de pesca de Portugal, um resultado considerado “histórico” por Assunção Cristas, ministra da Agricultura. Também os armadores de pesca aplaudiram os resultados da negociação, sublinhando que foi uma vitória “em toda a linha”.

No bacalhau e na pescada haverá uma diminuição de quota de 3% e de 15%, respectivamente, mas que é desvalorizada pelo sector. O secretário-geral da Associação dos Armadores das Pescas Industriais, António Cabral, recorda que, no caso do lagostim, em cima da mesa estava uma proposta de redução de 10% que acabou por resultar num aumento de 15%.

“Estaríamos prestes a enfrentar a 17.ª redução sucessiva de quota do lagostim e conseguimos inverter a proposta”, disse, em declarações à Antena 1. Elogiando a “negociação muito boa” e a vitória “em toda a linha”, António Cabral disse que o crescimento da quota pesqueira traz boas perspectivas de negócio ao sector.

“Temos muita esperança que 2015 seja positivo por força deste resultado e o sector está muito esperançado. A pesca é o principal baluarte da economia do mar”, destacou à rádio pública.

No final da reunião dos ministros do Mar e Pescas da União Europeia, Assunção Cristas defendeu que este é um “resultado histórico” e o reconhecimento de “muito trabalho técnico e político” que permitiu a Portugal sair “com ganhos extraordinários”. A ministra da Agricultura deu o exemplo do aumento de 67% de quota de carapau, “que significa que o carapau importado de outros países no valor de 16 milhões de euros passará a poder ser pescado pelos nossos pescadores”.

Quanto à pescada, que sofre uma diminuição de 15%, Assunção Cristas sublinha que, na prática, foi possível aumentar o equivalente a 49 dias de pesca no mar para esta espécie. A descida da quota do bacalhau “foi mínima” e acontece depois de aumentos de 30% nos últimos quatro anos, destacou.