"A venda das minhas acções não tem nada a ver com as informações que eu tinha"

Pedro Mosqueira do Amaral, ex-administrador do BES e membro do Conselho Superior do Grupo Espírito Santo, vendeu as suas acções do banco, em Janeiro, depois de conhecer "a falsificação das contas".

Foto
BES liderou as perdas ao cair 3,77% Sara Matos

 Esta audição tem uma advertência inicial: A primeira língua deste gestor é o alemão. Profissionalmente fala mais inglês que qualquer outro idioma. O português sai-lhe com dificuldade, e ainda mais perante o problema que o leva a comparecer na comissão de inquérito. Mosqueira do Amaral expressa-se num português com sotaque e com expressões difíceis como esta, a propósito das suas acções do BES: "Manti com umas percas grandes."


O ex-administrador procurava explicar que tinha comprado as acções do BES, em 2010, e desde então tinha perdido dinheiro. Mas reparou, em Janeiro de 2014, que o preço subia e, por isso, decidiu vender. José Magalhães, do PS, registou a coincidência: como administrador do BES, Mosqueira do Amaral já sabia, nessa altura, que havia muitos problemas no grupo. Mosqueira do Amaral confirmou: "A base de capital do Grupo era reduzida. O GES não nadava em dinheiro. Mas isso não queria dizer que o grupo estava falido..."

No entanto, "no final de 2013", algo mudou: "Fiquei mesmo assustado com isto tudo depois de Ricardo Salgado ter assumido a falsificação das contas pelo contabilista." Depois desse momento, Mosqueira do Amaral envolveu-se, com José Maria Ricciardi, numa estratégia: "Convidar o doutor Ricardo a demitir-se dos cargos." Era a hora, explicou, de dar lugar à "geração mais nova". Até porque havia, como vimos, "situações que deviam ser resolvidas". Exemplos: "As contas falsificadas e uns problemas com um banco em Angola."

Em 29 de Outubro "houve um encontro" destes administradores rebeldes. Em 7 de Novembro "foi acordado que ia haver uma preparação para a sucessão". Mas nada aconteceu... "Uma vez que houve o compromisso de mudança, nós tínhamos de dar tempo", explicou. 

E, em Janeiro, com as contas "falsificadas" na mira das autoridades, e ainda com Salgado ao leme, decide vender as suas acções, tendo comunicado por escrito à CMVM: "Tinha acções há muitos anos. Como vi que tinham subido, decidi vender. Precisava do capital."

"Nem a Libia, nem Angola, eram tratadas na área internacional do BES [que foi gerida por Mário Mosqueira do Amaral e, depois de 2008, pelo filho Pedro]. Parece que havia outra área internacional...", salienta o gestor do GES.

Inquirido pelo socialista José Magalhães, sobre o papel do supervisor, Mosqueira do Amaral optou por se resguardar debaixo do chapéu do supervisor: ”O Banco de Portugal tentou manter a estabilidade do banco até ao aumento de capital. Não é uma opinião minha, são factos. Sempre apoiei as decisões” do regulador.  

Cecilia Meirelles, do PP,confrontou Mosqueira do Amaral, sobre a relação do GES com o BESA, tendo este explicado que se “apercebeu que o crédito dado era o dobro dos depósitos e isso não pode acontecer. Mas o Dr. Álvaro Sobrinho não dava informação a ninguém, só ao Dr. Salgado”

À deputada do Bloco de Esquerda, Mariana Mortágua, o gestor respondeu que embora tenha tido “suspeitas” quanto aos créditos concedidos por Álvaro Sobrinho no BESA, “ é melhor nem me meter nisso” e garantiu desconhecer “esse senhor” Alexandre Cadosch mas que ele aparecia nas assembleias-gerais da ESFG, muito embora não saiba se estava em representação de outros accionistas. E salientou que “nas reuniões do Conselho Superior [do GES] as decisões quando eram apresentadas já estavam em vigor, não podia votar.”

Por sua vez. Miguel Tiago, do PCP, quis saber se sentiu falta de apoio do Governo ao GES e ao BES: “Para um grupo que tenha contas falsificadas, não vejo nenhum apoio de políticos ou autoridades, acho que não há nenhum suporte para contas falsificadas“.

Sobre a reunião do Conselho Superior em que Salgado pediu para não se debater o presente de 14 milhões que havia recebido do construtor José Guilherme, “por se tratar de uma questão pessoal, Mosqueira do Amaral respondeu nestes termos a Paulo Rios de Oliveira do PSD: “Perante uma resposta destas o que quer que eu diga?”