Ricciardi compreende a "mágoa" de Marcelo pelo fim das "luxuosas férias" no Brasil

Para o presidente do BESI, o comentador da TVI mentiu duas vezes sobre si no domingo e espera que "não minta uma terceira" vez.

Foto
José Maria Ricciardi Miguel Manso

Depois de ter sido neste domingo alvo de críticas por parte de Marcelo Rebelo de Sousa, José Maria Ricciardi reagiu manifestando “compreensão” pelo facto de o comentador da TVI ter “muita mágoa em não poder continuar a passar as suas habituais e luxuosas férias de fim de ano na mansão” de Ricardo Salgado” à beira-mar no Brasil”.

Para o presidente do BESI, Rebelo de Sousa mentiu duas vezes no seu comentário semanal na TVI: "O BESI, ao contrário do que disse [Rebelo de Sousa], nunca avalizou a emissão e colocação do papel comercial do GES”, nomeadamente as que geraram perdas de 800 milhões de euros para o BES", diz o banqueiro, apontando ainda outra mentira ao ex-líder do PSD: "Não só manifestei formalmente em Fevereiro de 2014 ao Banco de Portugal a minha indisponibilidade para continuar no BES, se não fosse alterado o modelo de governação, como ainda suspendi o meu mandato de administrador da ESI em Fevereiro de 2014 e apresentei a minha demissão no mês seguinte.”

As declarações do presidente do BESI surgiram através de uma nota enviada à comunicação social, horas depois de Rebelo de Sousa ter levantado dúvidas sobre a sua acção no GES-BES.  

Este domingo, no seu comentário político semanal, na TVI, Rebelo de Sousa mostrou perplexidade por Ricciardi ter dado “o aval a obrigações que hoje levantam dúvidas, porque a emissão dessas obrigações e o tempo mostram o grau de endividamento do grupo, nomeadamente na fase final… como é que pôde não acompanhar esse processo de muito perto?"

O jurista interrogou-se ainda sobre o facto de Ricciardi ter mantido as funções de gestão no grupo familiar, depois de ter “entrado em ruptura” com Ricardo Salgado. O jurista disse ainda que não percebe por que razão o presidente do BESI não voltou “a demarcar-se” nem a sair “da gestão de nenhuma das empresas do GES, nem do BES".

Foram estas as declarações proferidas ontem  na TVI, quando avaliava os trabalhos da Comissão de Inquérito à gestão do BES, que desencadearam a nota emitida por José Maria Ricciardi e que arranca num tom de crítica forte: "Eu compreendo que o professor Marcelo Rebelo de Sousa tenha muita mágoa em não poder continuar a passar as suas habituais e luxuosas férias de fim de ano na mansão à beira-mar no Brasil do Dr. Ricardo Salgado, mas essa mágoa não o autoriza a dizer mentiras a meu respeito e do banco a que presido, conforme fez no seu comentário de ontem.” Ricciardi termina com um desejo: “Espero que não surja” da parte de Rebelo de Sousa “uma terceira mentira.”

Recorde-se que Ricciardi tem sido o rosto da oposição a Salgado, o ex-líder do GES-BES sobre quem há suspeitas de fraude fiscal, corrupção e burla. Os dois estiveram na semana passada no parlamento a prestar declarações no quadro das audições que decorrem na Comissão de Inquérito parlamentar à gestão do grupo familiar.