"Temos direito de andar na rua sem medo"

Jovem de 28 anos julga que foi agredida por taxista no Porto por ter sido percepcionada como lésbica. Caso está a gerar onda de indignação entre activistas LGBT.

Foto
Sara Vasconcelos: “Foi surreal. Ele não dizia uma palavra. Só se ria enquanto me agredia” Manuel Roberto

Activistas dos movimentos LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgénero) estão a mobilizar-se contra o que acreditam ser um crime de ódio: uma jovem, de 28 anos, diz ter sido agredida por um taxista depois de se ter despedido de uma amiga com um beijo na boca.

“Acho que foi por causa do beijo, não tenho outra explicação para o que aconteceu”, conta Sara Vasconcelos. “Foi surreal. Ele não dizia uma palavra. Só se ria enquanto me agredia.” E ela quer denunciar isso bem alto. “Não quero que mais ninguém passe por uma situação destas. Temos direito de andar na rua sem medo.”

No último domingo à noite, saiu do bar no qual trabalha e foi tomar um copo. Seriam umas 7h30, talvez 7h40, quando entrou no primeiro táxi estacionado na Praça da República, no Porto. Estava a falar ao telemóvel. A colega que a acompanhava disse-lhe o quanto gosta dela e ela respondeu-lhe com um beijo na boca.

Fechou a porta do táxi sem desligar o telemóvel. Não sabia precisar para que rua ia. Disse ao taxista que seguisse até à Ponte do Infante, que depois lhe indicaria o caminho. A rua, cujo nome lhe escapava, ficava logo à direita. O homem, que aparentaria ter entre 35 e 40 anos, não arrancou. Quando ela se apercebeu disso, questionou-o. E ele ter-lhe-á dito que ela não lhe indicara o destino. Ela ter-lhe-á repetido que seguisse, que depois lhe explicaria o caminho, e ele ter-lhe-á ordenado que saísse. 

Sara estranhou. Quis saber por que estava ele a agir daquela forma. Enquanto guardava o telemóvel e pegava no saco, o homem saiu. “Eu ia a sair, tinha a mão na maçaneta, uma perna na rua, ele deu-me um soco”, conta. “Eu fui até à frente do carro para anotar o número, disse-lhe que ia fazer queixa dele e ele deu-me socos, pontapés. Eu caí no chão. Ele puxou-me pelos pés e arrastou-me, em círculos, uns metros. Deixou-me na estrada.”

Na praça, como se nada fosse, continuariam outros dois taxistas. Socorreu-a uma equipa do Instituto Nacional de Emergência Médica, que a conduziu ao Hospital Geral de Santo António. Não retornou a casa sem antes passar por uma esquadra da PSP e pelo Instituto de Medicina legal.

Volvida uma semana, ainda tem um hematoma no rosto, dores nas costas, no pescoço, nas pernas. O médico recomendou-lhe seis a oito semanas de repouso. Não se penteia. Desloca-se de muletas — terá uma ruptura muscular na perna direita. Nem lhe falem em entrar num táxi.

Como responder?
É grande a indignação entre activistas LGBT. Diversas possibilidades estiveram este sábado em cima da mesa: organizar um “beijaço”; instar as organizações profissionais a assumirem uma posição; pressionar o Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT), que atribui o certificado de aptidão profissional, a tomar uma atitude. Para já, decidiram fazer uma acção de sensibilização na próxima terça-feira à noite na Praça da República.

Não lhes parece um mero crime de ofensa à integridade física. Por lei, “são susceptíveis de revelar especial censurabilidade ou perversidade” os crimes motivados por “ódio racial, religioso, político ou gerado pela cor, origem étnica ou nacional, pelo sexo, pela orientação sexual ou pela identidade de género da vítima”.

"O país mudou em grande medida", reconhece Sérgio Vitorino, da associação Panteras Rosa. "Existem avanços legislativos, temos uma sociedade mais aberta, mas a homofobia continua a existir fora dos meios relativamente privilegiados das grandes cidades."

Houve reunião este sábado na Rádio Táxi. O episódio põe em causa o bom nome da central, diz Abílio Gomes, presidente da Rádio Táxi. “Vamos chamar o dono do táxi. Temos de perceber o que aconteceu. Toda a agressão, seja verbal ou física, é inaceitável.” Pode ser suspenso até 90 dias, ao fim dos quais se decidirá em assembleia se é ou não expulso. Se mantém ou se é suspensa a licença para conduzir táxi, caberá ao IMT dizer.