Literatura chinesa é hoje mais "brilhante" do que a ocidental, diz o Nobel Mo Yan

O escritor recebeu o doutoramento honoris causa na Universidade de Macau.

Foto
Peter Lyden/REUTERS

O Nobel da Literatura chinês Mo Yan, considera que a estabilidade política e material que se vive no Ocidente retirou à sua literatura o "brilho" que teve no passado e que hoje emana mais intensamente da China.

"Acho que temos uma posição brilhante. Julgo que a literatura moderna ocidental já não tem esse brilho. [O Ocidente] é estável, as pessoas vivem bem. [Os escritores] acabam por se focar mais em problemas emocionais porque estão bem alimentados", disse este domingo Mo Yan perante a audiência que encheu o principal auditório da Universidade de Macau (UM).

Para o Nobel da Literatura de 2012, os escritores ocidentais já não se debruçam sobre o impacto dos movimentos sociais. Por outro lado, a literatura chinesa – que durante a Revolução Cultural se tornou "estreita" e "limitada" – fez emergir uma nova geração e ganhou "um lugar no mundo da literatura moderna".

"Com base no que li, os outros [autores] não são muito melhores que os escritores chineses. Nos últimos 30 anos, a nossa literatura conseguiu muito e não é, de forma alguma, inferior à literatura mundial", disse Mo Yan, que no sábado recebeu da UM o doutoramento honoris causa.

O Nobel participou num debate com outros três académicos sobre As conquistas da literatura chinesa e o seu futuro, em que defendeu a importância de se estar "aberto ao mundo" e aprender com "a vida das pessoas comuns", salientando que os chineses, com toda a sua diversidade linguística, étnica, religiosa e cultural, têm "um mundo interior muito complicado".

Mo Yan falou ainda da importância da sua cidade-natal, Gaomi, para o trabalho literário: "Quando fui para a Universidade li muita literatura ocidental e aprendi que existe algo chamado 'cidade-natal literária'", uma entidade que, ainda que ficcional, é sempre alimentada pelos espaços e pessoas da infância. "O escritor é como um ladrão que rouba tudo o que vê e leva para a sua cidade", explicou.

Quanto ao futuro da literatura chinesa, o escritor vê-a dependente da qualidade dos tradutores e do progressivo aumento dos falantes de chinês no mundo. 

Mo Yan sublinhou, no entanto, que é preciso não simplificar a escrita para facilitar a vida a quem traduz. "Se pensarmos que estamos a escrever para estrangeiros, vamos achar que a linguagem é muito complicada para o tradutor e vamos simplificá-la e retirar-lhe originalidade", comentou.

Mo Yan mostrou-se bem-disposto e entusiasmado com a sua estadia em Macau, onde, no sábado, tinha ganho 540 patacas (cerca de 54 euros) com uma aposta de 100 patacas (10 euros) num casino. "Se todos os dias ganhasse 500 patacas, ficava em Macau para o resto da vida", brincou.

Respondendo a uma questão do público, o escritor revelou ainda a inspiração para o seu livro Republic of Wine, que conta a história de uma cidade totalmente dominada pelo consumo e produção de vinho. Segundo Mo Yan, o romance foi motivado pelos desafios que a bebida lhe colocava. "Todas as pessoas na minha cidade queriam embebedar-me", queixou-se. Ao mesmo tempo, o escritor conheceu um homem com uma enorme resistência à bebida. "Descobriu que tinha muito talento para beber e nunca se embriagava. Tornou-se uma pessoa cuja profissão era beber com os outros. Foi assim que surgiu o romance", revelou.

Em 2012, a atribuição do Nobel da Literatura a Mo Yan suscitou duras críticas devido à sua ligação ao Governo – é vice-presidente da Associação de Escritores da China, membro do Partido Comunista e chegou a escrever uma autocrítica ao romance Peito Grande, Ancas Largas", mal aceite por ter algum conteúdo sexual.