Portugal obtém a melhor classificação de sempre no ranking das escolas de gestão da Europa

Católica e Nova estão em 25º e 28ª lugar na lista do Financial Times que distingue as melhores no ensino da gestão. Porto Business School subiu sete posições e está em 59º lugar.

Fotogaleria
A escola de gestão da Católica tem desenvolvido parcerias com instituições internacionais
Fotogaleria
A Católica Lisbon manteve-se no 25º lugar do ranking do FT

Portugal obteve a melhor classificação de sempre no ranking do Financial Times (FT) que distingue as melhores escolas de gestão da Europa e voltou a ter duas instituições no top 30. O diário britânico divulga, nesta segunda-feira, a avaliação mais esperada do ano e coloca a Católica Lisbon School of Business and Economics (Católica Lisbon) e a Nova School of Business and Economics (Nova SBE) em 25º e 28º, respectivamente. A Porto Business School subiu sete posições e está em 59º lugar.

Em 2012, a Católica e a Nova já tinham estado entre as 30 melhores mas a classificação deste ano é a melhor desde 2010, considerando a pontuação conjunta. A escola privada manteve-se no 25º lugar e a Nova conseguiu progredir oito posições depois de, em 2013, ter descido de forma significativa na classificação. Este ano consegue, aliás, alcançar o seu melhor lugar de sempre. As duas instituições portuguesas estão à frente da Universidade de Cambridge ou da prestigiada Copenhagen Business School, num ranking que é liderado pela London Business School. A universidade do Reino Unido destronou a francesa HEC (École des Hautes Études Commerciales) de Paris que, no ano passado, foi considerada a melhor escola de gestão de Europa, em ex-aequo com a espanhola IE Business School, este ano em terceiro lugar.

Espanha é o país europeu com mais escolas entre as dez melhores. Além da IE, está representado pela Esade (3º) e pela Iese (7º). Reino Unido, França e Suíça têm, cada um, duas escolas nos lugares cimeiros. Também Itália marca presença, no oitavo lugar, com a DAS Bocconi.

Este é o “ranking dos rankings”, o mais esperado e desejado, e distingue anualmente as instituições de ensino europeias com base nos resultados obtidos em quatro outras avaliações aos programas de formação que o jornal económico britânico vai divulgando ao longo do ano. Em 2014, foram avaliadas 80 escolas e o FT chegou à pontuação final através da média dos resultados obtidos nas tabelas dos melhores MBA a tempo inteiro e part-time, formação para executivos e mestrado em gestão. De fora ficam os rankings dos melhores mestrados em Finanças, onde a Nova SBE está em 19º lugar.

A Católica foi a primeira escola portuguesa a constar nas tabelas do FT e em 2011 chegou aos primeiros 40 lugares. “Esta distinção do Financial Times vem reiterar, pelo 7º ano, a liderança da nossa Escola em Portugal. É para nós motivo de orgulho representar o nosso país no top 25 europeu entre um grupo restrito de países”, comenta em comunicado Francisco Veloso, director da instituição de ensino. A internacionalização reflecte-se também nas salas de aula, onde metade dos alunos são estrangeiros, tal como 40% dos professores.

Na Nova SBE, os docentes estrangeiros representam 29% do total e 100% dos professores são doutorados. José Ferreira Machado, que termina este ano o seu mandato à frente da direcção, diz que a meta é estar entre as dez melhores da Europa nos próximos anos. “Tenho plena confiança de que vamos cumprir o nosso objectivo: continuar a ganhar pegada global e a conquistar o reconhecimento das empresas e organizações de todo o mundo”, disse, em comunicado.

Em 59º lugar, a Porto Business School conseguiu recuperar na classificação, depois de ter descido da 55ª posição em 2012 (ano de estreia) para a 66ª, em 2013. É o resultado “de um compromisso de crescimento global”, diz Nuno de Sousa Pereira. “Temos focado os nossos esforços na melhoria da gestão a nível nacional e internacional e por isso apostamos numa forte ligação ao universo empresarial e na criação de programas à medida das necessidades estratégicas das organizações”, conclui.