Estação de São Bento foi pequena para o concerto-não-tão-surpresa dos James

Banda britânica ofereceu esta quinta-feira um concerto aos fãs no átrio da emblemática estação de comboios de São Bento

Fotogaleria
O átrio da estão ferroviária estava a abarrotar Regina Coelho
Fotogaleria
Isto é "tão bonito", disse Tim Booth aos fãs Regina Coelho
Fotogaleria
Milhares de pessoas assistiram ao concerto grátis Regina Coelho
Fotogaleria
O concerto estendeu-se por quase uma hora Regina Coelho
Fotogaleria
Os James são uns velhos conhecidos dos palcos portugueses Regina Coelho
Fotogaleria
Os fãs não desiludiram a banda britânica Regina Coelho
Fotogaleria
Todos quiseram registar o momento Regina Coelho
Os James deram um grande concerto no átrio da estação
Fotogaleria
Os James deram um grande concerto no átrio da estação Regina Coelho

Era para ser um concerto relâmpago, uma surpresa à cidade do Porto e uma homenagem aos fãs. Mas o momento que Tim Booth e companhia ofereceram esta tarde num átrio lotado da estação de São Bento foi muito mais do que isso.

Foram poucos os apanhados de surpresa, e foram mais aqueles que acorreram à estação para os ver de perto, naquele que esperavam ser um momento mais intimista com a banda. E o que aconteceu foi um grande momento de música da banda britânica - onde não faltou nada do que costuma haver nos grandes palcos mundiais (com coreografias nas colunas e mergulhos na multidão incluídos), com o acréscimo de haver conversa com os fãs, que tiveram direito a perguntas e a respostas. Porquê aqui, em São Bento? - foi uma delas. "(Porque) É tão bonito!", respondeu Tim Booth apontando para os azulejos da estação. A meia hora de concerto inicialmente prevista resvalou para quase uma e, no final, todos queriam ainda mais. 

Ana Soares e Fábio Oliveira, de 28 anos, souberam da existência deste concerto ontem pelas redes sociais. Meteram a tarde de férias no trabalho e rumaram de Esmoriz para o Porto. “Ainda não nos tínhamos decidido a comprar os bilhetes para Guimarães, é sempre uma despesa grande. Aqui, foi bem mais prático”, dizia Ana Soares, quanto faltavam 20 minutos para as três da tarde já o átrio da estação começava a ficar cheio. “A sorte é que em muitos sítios se falava que o concerto era às quatro. Mas é as três, anda depressa que já está quase cheio”, dizia alguém por detrás de Ana, ao telefone. As 15h02, depois de o microfone anunciar a chegada de um suburbano de Aveiro, começam a soar os acordes do “Out to Get”. Às 15h55 - depois de Tim Booth ter subido às colunas para cantar o “Interrogation”, uma faixa do último álbum “La petite Morte” - a estação rebentava pelas costuras.

Jorge Lopes, da produtora PEV Entertainment, explicou ao PÚBLICO que a ideia de oferecer um concerto gratuito à cidade do Porto surgiu há menos de uma semana, num brainstorming com a banda britânica que está, desde segunda feira, em Gaia num estúdio novo a escrever o próximo álbum. “Eles gostam muito de Portugal e da cidade. A cidade do Porto merecia um concerto assim, lembramo-nos deste local, e a Refer foi desde o primeiro minuto uma fantástica aliada”, explicou. Segundo a organização, as expectativas rondavam pelas 2000 pessoas na assistência, 2500 com a lotação esgotada. ”Imagino que esteve muito mais do que isso, dada a multidão que se juntou lá fora”, contabilizou Jorge Lopes.

As músicas oferecidas à cidade também acabaram por superar as previstas. Na folha amarrotada onde Saul Davies escreveu o alinhamento lia-se “Out to Get" e “Frozen”, “Laid” e “Moving On”. Somaram-se a estas Getting Away (com Tim Booth a mergulhar na multidão e a ser levado, em braços até à outra ponta da estação): “obrigada por serem tão simpáticos comigo, quando fiz isto em Glasgow fizeram-me uma espécie de colonoscopia”, brincou. E ainda houve “Interrogation” com o carismático vocalista a cantar em cima das colunas. No final, foi o guitarrista-violinista-percussionista Saul Davies quem se despediu, na língua que aprendeu com a mulher, portuguesa: “Já está. Vão para casa”. E entre gargalhadas da assistência, e as dele próprio, deixou o microfone com a frase “Boa sorte para o Sócrates”. Hoje a banda toca no pavilhão Multiusos, em Guimarães, e amanhã no Meo Arena, em Lisboa.