A Bolha Central

Escondida por detrás da prisão de Sócrates está uma notícia da semana passada que dá um exemplo de como seria o país se governado por uma “grande coligação” de PS e PSD, a que se poderia eventualmente acrescentar o CDS em nome do arco da governabilidade e de uma suposta salvação nacional. Falo da reposição das subvenções vitalícias para antigos políticos, decidida por um representante da ala direita do PS, José Lello, e uma figura do establishment do PSD, Couto dos Santos — e depois retirada à pressa, em resultado da pressão do Bloco de Esquerda e do escândalo geral da imprensa e da opinião pública. Sem sequer entrar no fundo da questão, a falta de sensatez dos dois deputados e dos seus aparelhos, aliada à arrogância de uma decisão em causa própria, dá-nos aqui uma prefiguração do que seria um governo em que PS e PSD estivessem amarrados um ao outro, bem longe do mundo real e dos cidadãos comuns.

Mas isto não é nada. Dispensados de se enfrentarem periodicamente no parlamento ou proximamente em eleições, vivendo numa bolha só para eles, não só os dois grandes partidos passariam tranquilamente medidas como estas em Conselho de Ministros e na Assembleia da República, como entre eles reinaria a auto-suficiência e arrogância perante os protestos do exterior, facilmente apodados de extremistas ou contrários ao interesse da nação e da estabilidade governativa. Os partidos tornar-se-iam indistintos e os seus aparelhos convergiriam para se usarem reciprocamente como pretextos e desculpas, biombos e espelhos, esconderem os escândalos de uns e outros, justificarem a incompetência própria e lavarem as mãos da incompetência alheia — e tudo com a nobre desculpa de não deitarem a casa abaixo, para não provocarem uma crise de regime. E, no entanto, a crise de regime já estará instalada — e no governo.

E, no entanto, sabemos que as elites empresariais, e as elites do estado, vão pedir um Bloco Central — ou seja, vão pedir aquilo que elas já são. Que o Presidente da República o deseja há muito. Que as instituições internacionais, implícita e explicitamente, vão defender que apenas uma “maioria alargada” poderá fazer as “reformas necessárias” (sempre as mesmas: diminuição de direitos sociais, laborais e económicos). A imprensa, cá dentro e lá fora, aplaudirá fugazmente o grande consenso nacional, até começar a aperceber-se que um Bloco Central é a mais ineficaz e perigosa das invenções, e finalmente decretar que a governação dos dois maiores partidos, ou dos três partidos da ordem estabelecida, foi afinal uma desilusão. Será mais do que isso, e será tarde de mais.

Sem esquerda nem direita, mas apenas os de dentro contra os de fora, um governo de Bloco Central não dará alternativa, nem sequer alternância, nem sequer o suspiro de uma dança de cadeiras. Será o pior daquilo que nos trouxe até aqui, mas em estertor.