Que presente é este? Vamos perguntar ao Interstellar e à Guerra dos Tronos

A academia e os fãs de ficção científica e fantasia juntaram-se três dias num colóquio na Faculdade de Letras de Lisboa. Os géneros estão a conquistar universidades portugueses a pouco e pouco.

Fotogaleria
Interstellar
Fotogaleria
Interstellar
Fotogaleria
Interstellar
Fotogaleria
Interstellar
Fotogaleria
Interstellar
Fotogaleria
Guerra dos Tronos DR
Emilia Clarke é a bela Daenerys Targaryen de A Guerra dos Tronos (em cima). Em baixo: The Bridge, Breaking Bad, Arrested Development e Mad Men
Fotogaleria
Guerra dos Tronos Fotógrafo
Fotogaleria
A Estrada
Fotogaleria
A Ilha

Quando Galileu Galilei escreveu em 1610 Sidereus Nuncius - O Mensageiro das Estrelas (ed. Fundação Calouste Gulbenkian) trouxe à ciência as suas descobertas astronómicas feitas com um tecnologia inovadora: o telescópio. Eram as primeiras imagens além do olhar humano. Hoje, muitas das imagens daquilo que não vemos deste sítio onde estamos – o espaço, o futuro, os mundos possíveis –, são-nos dadas pela ficção científica e pela fantasia, que nos podem dizer tanto sobre a realidade como o telescópio de Galileu. Falar sobre o agora através destes géneros foi o objectivo da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FLUL) em Mensageiros das Estrelas: Episódio III – Colóquio de Ficção Científica e Fantasia, que reuniu, de quarta a sexta-feira, cerca de 70 comunicações de investigadores nacionais e internacionais. Esta é a terceira conferência depois das edições de 2010 e 2012.

“Normalmente as narrativas fantásticas acabam bem, sentimo-nos resgatados, com esperança. É isso que eu penso que George J. J. Martin está a tentar discutir de alguma maneira”, diz ao PÚBLICO a professora Angélica Varandas, do Centro de Estudos Anglísticos da Universidade de Lisboa (FLUL-CEAUL), sobre o autor dos livros As Crónicas de Gelo e Fogo (ed. Saída de emergência) e co-autor da série de televisão Guerra dos Tronos, uma adaptação destes livros. Para Angélica Varandas, enquanto J. R. R. Tolkien (1892-1973), autor de O Senhor dos Anéis e a grande influência do fantástico actual, escreve sobre “o mundo do mito e do sonho”, Martin traz da Idade Média os jogos políticos e os efeitos da guerra para fazer “uma crítica muito feroz às sociedades contemporâneas e a esta ideia de que cada vez mais somos motivados pelo desejo do poder, de que somos capazes de tudo pela ambição”, explica.

Martin ainda não acabou a sua obra, mas para já o imaginário que criou confirma uma tendência actual na ficção científica e no fantástico: o olhar distópico sobre a realidade, dizem os investigadores, motivado pelas crises económicas, ambientais e por momentos como a Segunda Guerra Mundial e o lançamento da bomba atómica. “No início do Sétimo Selo, de Ingmar Bergman, a águia a planar é isso – a ameaça que vem do céu”, lembra a professora.

“A ficção científica diz-nos que estamos a viver uma crise – a tal do sujeito ocidental moderno em que não sabemos se somos racionais ou emocionais, se a máquina nos torna mais ou menos humanos”, diz Elsa Rodrigues, da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC), acrescentando que, ao contrário da ficção científica dos anos 70, que “tinha um horizonte de progresso e pensava sobre o futuro”, hoje estes filmes reflectem sobre o presente. “Pensávamos no ano 2000 e víamos carros a voar baixinho, luzes que se acendem à nossa passagem. Chegamos ao ano 2000 e não há nada disso – em 1999 o Matrix diz-nos ‘isto que estamos a viver é uma ficção’.”

Para Christine Cornea, da Universidade de East Anglia no Reino Unido, houve outra mudança no cinema e na literatura de ficção científica: passou-se de histórias centradas em máquinas tecnologicamente avançadas – “boys with toys” – para uma maior atenção à psicologia humana, “o que ironicamente tornou estes filmes mais realistas”, diz, lembrando filmes como A Ilha (2005), de Michael Bay, A Estrada (2009), de John Hillcoat, ou Interstellar, de Christopher Nolan, em exibição.

Interstellar – um filme em que se procura no espaço um segundo lugar para a humidade depois de ela ter destruído a Terra – é um bom exemplo de uma das tendências que se mantém desde os anos 70: as séries de televisão e filmes pós-apocalípticos. Estas histórias colocam o homem a lidar com o que vem depois do fim do mundo, com a destruição total e em geral. “O homem não sabe lidar com a situação. As personagens muitas vezes são conflituosas entre si, em vez de mostrarem união”, diz a professora inglesa.

“Não têm um efeito esperançoso nas pessoas que ficam a pensar: ‘Meu deus, é um problema tão grande, global, não há nada que eu possa fazer.’ Pode levar as pessoas desistir. O único efeito esperançoso é fazer com que as pessoas reflictam na questão que o filme trata”, continua.

A capacidade de passar reflexões filosóficas e epistemológicas em ambiente de entretenimento, “enquanto se comem pipocas”, é cativante para Elsa Rodrigues. Mas tendo o cinema objectivos comerciais, lembra, nem sempre as hipóteses levantadas num filme são consequentes – há sempre um final feliz. É no momento de levar estas hipóteses de futuro, sem medos, até às últimas consequências que devem entrar as universidades.

“A razão enquanto ferramenta está a mostrar que é cada vez mais limitada – o mundo ocidental não está a ser racional nas suas opções, nem individuais, nem colectivas”, diz a investigadora da FLUC. “Podemos substitui-la com a imaginação – é com ela que podemos antever e perceber como nos desviamos [no presente] das más hipóteses de futuro – é o que a ficção científica faz”.

Ana Coelho, do FLUL-CEAUL, admite que “ficção científica e fantasia eram duas áreas ignoradas na faculdade e só esporadicamente se estudavam algumas obras”. “Há pessoas que gostam muito e há outras que pensam: 'Ficção científica? Isso são extraterrestres, não é sério o suficiente, não é académico'”, conta Rita Martins, professora da FLUL. Pelo contrário, nas universidades norte-americanas e britânicas desde os anos 70 que há cadeiras e publicações dedicadas a este género, “com um público académico, não são só geeks”, diz Christine Cornea.

Os sete professores do FLUL-CEAUL que organizam o colóquio desde a primeira edição, tinham no iníco o objectivo de criar uma cadeira de opção livre. Neste ano lectivo leccionam os sete, pela segunda vez, Ficção Científica e Fantasia de Expressão Inglesa, com as vagas de cerca de 50 alunos preenchidas, e não têm conhecimento de uma disciplina semelhante numa outra faculdade portuguesa.

“Este estudo crítico levou algum tempo a expandir-se no mundo académico nacional”, diz Teresa Botelho, professora da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (FCSH-UNL), que está também a tentar criar uma cadeira sobre estes géneros para o próximo ano. Para Teresa Botelho, esta área permite “pontes com áreas tão diversas como a filosofia, a ética, a sociologia, a história e as várias ciências e tecnologias que estão constantemente a renovar e modificar a nossa forma de imaginar os nossos vários futuros possíveis”.

Nos três dias de colóquio, os auditórios foram partilhados por investigadores académicos e fãs acérrimos, daqueles com “um certo nível de devoção”, diz o professor da FLUL, José Duarte: “Queremos que eles ganhem uma reflexão crítica sobre estas coisas que normalmente vêem.” E a academia também sai a ganhar. “O conhecimento deles às vezes é um conhecimento de pormenor, pode dar-nos pistas que não estávamos a ver”.