No Metro de Lisboa há informações sobre a cidade à distância de um toque

A partir desta terça-feira há 34 Tomis espalhados pelas estações do metro. Através dos ecrãs tácteis, os utilizadores podem pesquisar um restaurante para jantar ou até tirar uma selfie

Foto
O novo dispositivo já está em grande parte das estações do metro Miguel Manso

Há agora 34 Tomis espalhados por 19 estações do metropolitano, como Baixa-Chiado, Marquês de Pombal ou S. Sebastião. É a “primeira rede urbana de informação interactiva” em Portugal, garante José Agostinho, director-executivo da TomiWorld, empresa de Viseu que desenvolveu a tecnologia, apresentada como pioneira. Além da capital, existem já alguns dispositivos instalados no Norte do país e no Algarve. “Nos próximos seis meses podemos ter Portugal cheio de Tomis”, acredita o empresário.

A rede inaugurada esta terça-feira resulta de uma parceria entre o Metro de Lisboa, que apenas cede o espaço, e as empresas Multimedia Outdoors Portugal (MOP) e TOMIWorld. Segundo José Agostinho, o projecto representa um investimento de 1,5 milhões de euros, que os privados esperam recuperar em quatro anos através das receitas publicitárias.

À distância de um toque, o utilizador encontra no Tomi informação, em inglês e português, dividida por quatro categorias e organizada segundo critérios de proximidade. Pode, por exemplo, pesquisar um restaurante para jantar na zona onde está situada a estação, efectuar uma reserva e perceber qual a melhor forma de se deslocar até lá. Ou ficar a saber as notícias locais e a agenda de espectáculos ou exposições culturais – até pode reservar bilhete.

O equipamento tem uma câmara integrada que permite tirar fotografias (as famosas selfies) e enviar para o email ou partilhar nas redes sociais, e ainda é possível enviar todos os conteúdos para o smartphone através de um código QR (espécie de código de barras para telemóveis). A privacidade está assegurada, garante José Agostinho: “A única coisa que pedimos para o utilizador partilhar é o e-mail, e temos uma função hide, que substitui as letras com asteriscos à medida que ele escreve.”

No ícone Transportes é possível pesquisar itinerários, incluindo o tempo de duração do percurso, os transportes públicos mais indicados e o custo da viagem. “No futuro queremos incluir informações de rede, como perturbações que existam quer no Metro quer na Carris”, adianta Luís Barroso, administrador da Carris e do Metro de Lisboa. Para este responsável, o Tomi “é uma oportunidade para oferecer mais um serviço aos utentes de forma gratuita”, depois de no ano passado a empresa ter disponibilizado o acesso, também gratuito, à Internet sem fios em algumas estações.

Para já, a rede de dispositivos Tomi inclui as estações do Colégio Militar, Jardim Zoológico, São Sebastião, Baixa-Chiado, Restauradores, Terreiro do Paço, Santa Apolónia, Campo Grande, Cidade Universitária, Entrecampos, Campo Pequeno, Saldanha, Marquês de  Pombal, Rato, Cais do Sodré, Rossio, Alameda, Aeroporto e Oriente. No futuro poderá abranger outros locais. “A ideia é estar em todos os sítios onde faça sentido, onde as pessoas circulem, como zonas com muito comércio”, explica Vasco Perestrello, administrador da MOP, que encontrou no Tomi a solução que procurava há três anos, no estrangeiro.

“Desde que o digital apareceu tenho andado à procura de um parceiro tecnológico que me ajudasse a reformular a presença do outdoor”, afirma. Foi nos EUA que encontrou o parceiro, mas não precisava de ter ido tão longe. Era português.