Recuperados 10 mil milhões de dólares da fraude de Madoff

Administrador judicial conseguiu acordo com dois fundos sedeados em paraísos fiscais.

Madoff à entrada do tribunal que lhe impôs uma pena de 150 anos de prisão
Foto
Madoff à entrada do tribunal que lhe impôs uma pena de 150 anos de prisão

O administrador judicial que lidera a liquidação da falida companhia financeira de Bernard Madoff já conseguiu recuperar cerca de 10 mil milhões de dólares que os investidores tinham perdido. Nesta terça-feira, a equipa liderada por Irving Picard revelou ter conseguido acordos com dois fundos sedeados nas ilhas Caimão que aceitaram pagar cerca de 500 milhões de dólares às pessoas lesadas por Madoff.

Com este passo, o nível de recuperação de valores já atinge quase 60% do montante de perdas que a falência do império financeiro de Bernard Madoff deixou pelo caminho. Quando, em 2008, o esquema Ponzi (pirâmide) montado pelo gestor foi descoberto, as perdas contabilísticas ascendiam a quase 65 mil milhões de dólares e as que diziam directamente respeito a investidores totalizavam 17,5 mil milhões de dólares.

Os dois fundos que aceitaram pagar 500 milhões de dólares (Primeo Fund e Herald Fund) investiram dinheiro de clientes na companhia de Madoff, que garantia elevadas rentabilidades, embora o risco fosse da mesma dimensão.

Bernard Madoff, que desempenhou vários cargos de topo no sector financeiro privado e na administração pública (chegou a ser o líder do Nasdaq, a bolsa das empresas tecnológicas em Nova Iorque) antes de criar a sua própria companhia, montou um esquema de financiamentos em pirâmide que acabou por desmoronar-se quando eclodiu a crise financeira em 2008.

No fundamental, Madoff oferecia elevadas rentabilidades aos seus clientes que não correspondiam ao nível de lucros conseguidos com as aplicações que realizava. Mas como tinha contactos privilegiados com fundos privados, milionários e firmas de investimento, ía suprindo esse défice com novas entradas de dinheiro que conseguiu, também, através de uma competente actividade de relações públicas e de promoção dos seus serviços.

Após uma investigação que acabou por se tornar célebre pela rapidez com que se concluiu, Madoff foi preso e julgado, num tribunal de Manhattan, que lhe aplicou uma pena de 150 anos de cadeia. O líder da companhia não foi o único a ser sentenciado. O seu irmão, Peter, foi condenado a dez anos de prisão e cinco antigos empregados da firma já viram os seus processo correr em tribunal, aguardando pela decisão final, prevista para o início de Dezembro.

Os valores que os dois fundos aceitaram pagar fará com que se complete uma etapa fundamental do processo – a indemnização dos cerca de 1100 investidores cujas perdas eram inferiores a 925 mil dólares. Algo que se antevia como muito difícil. “A perspectiva de acumular 10 mil milhões de dólares para compensar as vítimas de Bernard Madoff não era vista por muitos como uma possibilidade séria antes do início do processo”, lembrou Stephen Harbeck, presidente SICP, a sigla em inglês da comissão que nos Estados Unidos protege os pequenos investidores.

Esta organização, que funciona como um fundo de garantia para os investidores do mercado de produtos derivados, já usou cerca de 900 milhões de dólares dos seus cofres para ajudar a indemnizar antigos clientes de Madoff.