Primeira ciclovia iluminada tem estrelas de Van Gogh

Trabalho do designer Daan Roosegaarde abriu ao público esta semana.

Fotogaleria
Studio Roosegaarde
Fotogaleria
Studio Roosegaarde
Fotogaleria
Studio Roosegaarde
Fotogaleria
Studio Roosegaarde
Fotogaleria
Studio Roosegaarde
Fotogaleria
Studio Roosegaarde
Fotogaleria
Studio Roosegaarde
Fotogaleria
Studio Roosegaarde

Vincent Van Gogh pintou Noite Estrelada no final da década de 1880. Dezenas de anos mais tarde, a obra do artista holandês começou a ser replicada em livros, posters e todo tipo de memorabilia, e o quadro massificou-se, tornando-se um dos trabalhos de Van Gogh mais conhecidos. Agora, 125 depois, Noite Estrelada serviu de inspiração a um designer para criar a primeira ciclovia de piso iluminado, onde a beleza da obra do pintor se alia à tecnologia.

Ao longo de um quilómetro, perto da localidade holandesa de Eindhoven, onde se pensa que o pintor viveu entre 1883 e 1885, foi construída a ciclovia, num trabalho desenvolvido pelo designer holandês Daan Roosegaarde, em colaboração com a empresa Heijmans. Está aberta ao público desde a última quinta-feira.

O designer chamou-lhe “The Van Gogh-Roosegaarde cycle path”, um projecto que irá fazer parte das iniciativas que vão assinalar os 125 anos sobre a morte do artista. À semelhança da estrada que brilha no escuro criada em Oss, centro da Holanda, também um trabalho de Daan Roosegaarde, a ciclovia é criada por milhares de pequenas “pedras” feitas de um material luminescente que durante o dia absorve a luz solar e à noite brilha, criando um efeito visual em tons esverdeados. As pequenas “pedras” foram colocadas sob cimento molhado de forma a formarem um padrão inspirado no quadro de Van Gogh.

“Quis criar um lugar que as pessoas sentissem de uma maneira especial, a técnica combinada com a experiência, isso é o que tecno-poesia significa para mim”, explica Roosegaarde no site onde apresenta o seu trabalho.

O designer, que afirmou à revista Wired que andar na ciclovia é como “andar de bicicleta num conto de fadas”, considera que a experiência que a via iluminada irá criar em cada pessoa é muito pessoal. "Algumas pessoas vão vir porque estão interessadas em paisagens seguras e amigas da energia, outras virão porque querem experimentar arte e ciência", argumenta, acabando por acrescentar que acha que a ciclovia se vai tornar num lugar muito procurado “para um primeiro encontro”.