Enfermeiros reúnem-se para avaliar apelo da tutela para não fazerem greve

Sindicato dos Enfermeiros Portugueses considera pedido do Ministério da Saúde "surpreendente e uma tentativa de manipular". Mesmo assim vão avaliar a situação e dão uma resposta ao início da tarde.

Nas contas dos sindicalistas, são precisos mais 25 mil enfermeiros no Serviço Nacional de Saúde
Foto
Nas contas dos sindicalistas, são precisos mais 25 mil enfermeiros no Serviço Nacional de Saúde Nuno Ferreira Santos

A direcção do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) vai reunir-se ainda durante a manhã desta quinta-feira para avaliar o pedido do Ministério da Saúde para reconsideraram a greve nacional de dois dias marcada para as próximas sextas-feiras, dia 14 e 21 de Novembro. O apelo do ministério de Paulo Macedo foi feito através de uma carta assinada pelo secretário de Estado da Saúde, Manuel Teixeira, que invocou o surto “extraordinário” de Legionella.

Guadalupe Simões, da direcção do SEP, confirmou ao PÚBLICO que receberam a carta de Manuel Teixeira, que invocava “necessidades em saúde indispensáveis e inadiáveis” e que defendia que a greve nacional dos enfermeiros pode “comprometer a prestação de cuidados de saúde” numa altura em que o surto de Legionella no concelho de Vila Franca de Xira já soma 302 infectados.

Há ainda 40 doentes em unidades de cuidados intensivos e cinco vítimas mortais confirmadas, bem como outras quatro em processo de investigação. O foco ainda não foi identificado, mas as investigações preliminares das autoridades de saúde apontam para as torres de arrefecimento do complexo de fábricas situadas na região, mais concretamente para a ADP Fertilizantes (Adubos de Portugal). De todas as formas, o Governo já garantiu que neste momento não há fontes de contágio activa, visto que as torres suspeitas foram fechadas e isoladas.

A decisão do SEP será comunicada ao início da tarde desta quinta-feira, explicou a sindicalista, que ainda assim considerou a carta da tutela “surpreendente e uma tentativa de manipular as pessoas”. Guadalupe Simões escusou-se a antecipar cenários, mas admitiu que em cima da mesa tanto pode estar a manutenção da greve, como a desconvocação em todo o território nacional ou apenas na região de Lisboa – por ser aqui que está localizado o surto e por serem os hospitais desta zona os que têm mais doentes internados.

Greve nacional não põe doentes em causa, diz sindicato
“É extraordinário que o mesmo Ministério da Saúde que não resolve os problemas dos enfermeiros, nomeadamente a carência de profissionais, o aumento dos contratos de trabalho para 40 horas, as subcontratações e as carreiras, venha agora pedir aos enfermeiros que desconvoquem a greve de dois dias porque precisa deles”, afirmou Guadalupe Simões.

A representante do SEP destacou que a greve é nacional e que o foco do surto de Legionella está em Lisboa, acusando a tutela de tentar impedir os enfermeiros de reivindicarem numa altura especialmente importante. “Está agora em discussão a proposta do Orçamento do Estado para o próximo ano e é a altura certa para tentarmos resolver os graves problemas que temos, como a falta de enfermeiros”, justificou, lembrando ainda que “mesmo num cenário de greve, os enfermeiros cumprem os serviços mínimos e os cuidados dos doentes não ficam em causa”.

A carta do Ministério da Saúde, citada pela Lusa, solicitava que “sem questionar o direito constitucional à greve”, os enfermeiros, “tendo em conta o interesse público e o cenário epidemiológico extraordinário actual, se dignem avaliar a oportunidade da paragem laboral já decretada, as consequências nos cuidados prestados às pessoas e a percepção social sobre a greve e os seus riscos”.

Manuel Teixeira considerava que o surto da doença do legionário “ainda não se encontra debelado, podendo ainda aumentar o número de doentes com necessidade de cuidados de saúde”. “Nesta situação de desafio excepcional torna-se ainda mais importante que todos os agentes do sector demonstrem o grau de profissionalismo e responsabilidade que tem sido a chave do sucesso na resposta aos desafios do momento”, referia a missiva.

O pré-aviso de greve tinha sido feito na segunda-feira, para os dias 14 e 21 de Novembro, justificando o SEP a paralisação com a necessidade de dignificar a profissão perante os cortes salariais nas horas extraordinárias, o congelamento da progressão na carreira, as subcontratações de enfermeiros a pouco mais de três euros à hora, a carência de profissionais e o aumento do horário de trabalho para as 40 horas semanais.