Perfil

Os burros do João são a vida dele

Aos 32 anos, este médico veterinário de Paredes de Coura já viajou por todo o mundo para conhecer, tratar e salvar burros. São três mil quilómetros por mês, em média. Em casa, Zimbro, Trigo, Papoila e Bolota ficam à sua espera.

João Rodrigues gosta de abraçar burros. Faz-lhes festas no focinho e atrás das orelhas, fala com eles. Tem quatro (mais um prestes a nascer) na quinta de família, em Paredes de Coura, mas pelas suas mãos já passaram “muitos milhares”, um pouco por todo o mundo. Pelos burros, este veterinário faz uma média de três mil quilómetros por mês: divide-se entre Lisboa, Miranda do Douro e Linhares, em Paredes de Coura, onde o P3 o visitou. “Em determinado momento da minha vida podia escolher entre trabalhar com cavalos e ter que lidar com os proprietários ou trabalhar com burros e ter que lidar com os proprietários. Escolhi os burros” — é uma brincadeira, frisa, mas que reflecte a importância que dá à relação destes animais com os donos. A mesma que tem com os burros que levou para casa e que ajudou a nascer. 

O Zimbro e o Trigo não largam João, de 32 anos, que construiu um estábulo sustentável para os acolher: a água que bebem é aproveitada da chuva, a palha é comprada em Trás-os-Montes. Por lá andam também a Papoila, já nascida no Alto Minho, e a Bolota, à espera de mais um burro: têm largas centenas de metros para pastar e correr. São felizes e reconhecem quem os trata bem. É Maria José, a mãe do jovem veterinário, quem cuida, diariamente, dos animais “super calmos”, ainda que de grande porte, que também contribuem para a conservação e limpeza da propriedade.

Os quatro que lá moram são zamorano-leoneses, muito parecidos com os mirandeses, do Nordeste transmontano onde João estudou e continua a viver. “Têm um carácter muito calmo que é, de facto, muito distintivo”, descreve o veterinário, e são “animais extremamente dóceis e sociáveis, nada agressivos” — gostam da atenção das pessoas, procuram-na. Assim se explica o facto de continuarem “a servir uma população idosa em Trás-os-Montes”, que precisa deles para o trabalho do dia-a-dia.

PÚBLICO -
Foto
Tiago Dias dos Santos

É precisamente a relação que os burros têm com os donos, sobretudo nesta região portuguesa, que cativa João. Foi no mundo rural transmontano — e também espanhol — que começou a trabalhar com eles. Daí ao doutoramento clínico foi “um caminho natural”. Enquanto médico veterinário especializou-se na saúde oral destes animais, pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), instituição na qual se licenciou, e luta contra o abandono de que muitas vezes são alvo. “Em termos académicos estava tudo por fazer, o que acabou por ser uma oportunidade de investigação e publicação”, justifica João, irmão de Tiago Brandão Rodrigues, o jovem português que em 2013 criou uma técnica para detecção precoce do cancro.

Passou por 86 aldeias, portuguesas e espanholas, e analisou 800 burros, 400 mirandeses e 400 zamorano-leoneses, de perto de 350 proprietários. Uma vez que o desafio era “tentar perceber a prevalência de patologia oral nestes animais”, João estabeleceu uma espécie de “compromisso de honra” com as pessoas e tratou os burros gratuitamente. “Não podia, como veterinário, aperceber-me que os animais tinham problemas e simplesmente apontar, sem tratar deles.”

No Brasil, para salvar animais

Por falta de tempo, não exerce tanta medicina veterinária como gostaria — e sente falta. É docente de clínica equídea na Universidade Lusófona de Lisboa e já passou, entre outros países, pelo México, pela Índia e por Marrocos, em acções de sensibilização e tratamento destes animais. “Começa a haver um interesse crescente na veterinária dos burros, algo que foi completamente negligenciado até agora”, diz.

Há poucas semanas, João regressou do Brasil, onde esteve enquanto consultor da The Donkey Sanctuary, “a maior organização não-governamental do mundo a trabalhar com burros e mulas”. Neste país da América do Sul existe “um problema grave de abandono de burros”, sobretudo nos estados de Pernambuco e do Ceará. Aqui, “a melhoria das condições de vida e a mecanização da agricultura”, juntamente com a “seca extrema dos últimos quatro anos”, fez com que milhares de animais fossem abandonados, transformando-se “num problema rodoviário sério”. Vagueiam pelas estradas dos estados, sem comida e sem assistência, causando acidentes rodoviários. O Departamento Estadual de Trânsito do Ceará faz a recolha destes animais, concentrando-os numa propriedade grande onde vivem “cerca de dois mil burros” com necessidades médicas. O que João fez foi “tentar aprender a lidar com o problema, através da partilha de experiência” no tratamento destes animais: não basta recolhê-los, é preciso tratá-los e prevenir o aparecimento de doenças.

PÚBLICO -
Foto
Trigo e Zimbro são os dois burros que João Rodrigues tem em Paredes de Coura Tiago Dias dos Santos

O jovem veterinário, que fez Erasmus em Espanha e na Roménia, viaja por “países em desenvolvimento” onde os burros “não deixam de ser uma ferramenta de trabalho” — apesar de não considerar esta uma expressão feliz. “Estima-se que existam 52 milhões de burros em todo o mundo — e a grande maioria, 90 a 95%, é de trabalho”. Estão por toda a África, América Latina e Ásia, diz, e são “um pilar da economia rural e periurbana”. “A principal função penso que possa ser, ainda, o transporte de água, mas depois também há o transporte de pessoas e bens e o trabalho de tracção”, reflecte. “Se os números estão correctos, só 8% da agricultura mundial é feita com máquinas: 17% é feito com recurso a animais e há 75% do trabalho agrícola que é feito manualmente (…) O que seria se estas pessoas pudessem ter acesso a um burro ou a um animal de trabalho que as ajudasse nas funções do dia-a-dia, na agricultura e no transporte? Seria, de facto, espectacular.”

PÚBLICO -
Foto
No Brasil, João visitou uma propriedade estatal onde perto de dois mil burros foram acolhidos

Menos de mil burros mirandeses em Portugal

O burro, como espécie, “não está de todo em extinção”. O que acontece, explica, é que existem determinadas raças, “como as nossas autóctones” (em que se inclui o mirandês), ameaçadas. Em Portugal, João aponta para não mais do que 15 mil burros — e menos de mil mirandeses. A tracção animal, sugere João, “é uma fonte de energia que, curiosamente, tem muitos anos, é renovável e extremamente eficaz”. “É algo que, infelizmente, se perdeu em Portugal, com toda a mecanização”, lamenta.

A pensar nisto, o jovem esteve envolvido na criação, há dois anos, da Associação Portuguesa de Tracção Animal, da qual é actualmente presidente, e que actua sobretudo na zona do Nordeste transmontano. “Se quero aprender sobre tracção animal é importante que esteja nos sítios onde ainda exista esta cultura”, justifica, razão pela qual também faz parte de uma outra associação, de desenvolvimento rural e conservação da natureza, a Aldeia.

Defende João que há novas ferramentas para ajudar à tracção animal, mais confortáveis para os animais — o seu bem-estar é fundamental — e que podem ajudar os proprietários. “Os burros são animais muito estóicos, que não demonstram facilmente que estão doentes”, diz. “Muitas vezes aguentam problemas graves sem se queixarem e sem que isso se reflicta directamente na sua saúde e no seu bem-estar.”