Neto de Picasso abre arquivo com centenas de imagens inéditas do avô

Muitas das fotografias podem ser vistas numa exposição recentemente inaugurada na Galeria Gagosian, em Nova Iorque

Fotogaleria
Olga Picasso no estúdio do pintor, na mesma posição em que aparece num dos quadros que Pablo Picasso fez dela "© 2014 Estate of Pablo Picasso / Artists Rights Society (ARS), New York © RMN-Grand Palais/Art Resource, NY. Photo: Jean-Gilles Berizzi. Courtesy Gagosian Gallery
Fotogaleria
Auto-retrato do artista Artwork © 2014 Estate of Pablo Picasso / Artists Rights Society (ARS), New York. Photo: Maurice Aeschimann. Courtesy Gagosian Gallery
Fotogaleria
Olga Picasso vestida de bailarina no pátio da Villa Belle Rose Fotógrafo desconhecido. "© Fundación Almine y Bernard Ruiz-Picasso para el Arte (FABA). Courtesy Archives Olga Ruiz-Picasso and Gagosian Gallery

São “centenas e centenas” de fotografias que nunca tinham sido tornadas públicas: o neto de Pablo Picasso, Bernard Ruiz-Picasso, abriu para o historiador de arte britânico Sir John Richardson, o enorme arquivo fotográfico do avô, que, diz o Guardian, dá toda uma nova perspectiva sobre a vida e os amores do artista espanhol.

Para além das fotografias, o arquivo inclui também filmes com a família e amigos, numa quantidade de material que Richardson, de 90 anos e um dos maiores especialistas na obra de Picasso, descreve como “uma revelação”. E não poupa palavras para mostrar o seu entusiasmo: “São [imagens] de todos os períodos – fascinantes quando as comparamos com certos quadros ou acontecimentos da vida de Picasso. [O material] dá toda uma nova perspectiva à sua vida. Torna-a tridimensional. É absolutamente extraordinário.”

O Guardian reproduz quatro dessas fotografias. A primeira é de 1919 e mostra Picasso com a mulher Olga à saída de uma sala de espectáculos. Na segunda, já de 1932, o pintor aparece no jardim de uma casa segurando ao colo um enorme cão. Outra, datada de 1917, mostra novamente Olga, que foi a primeira mulher de Picasso, sentada no estúdio do artista, na mesma pose em que aparece num dos quadros que ele pintou dela. A quarta é ainda de Olga, desta vez em pose de dança (era bailarina dos Ballets Russes, de Sergei Diaghilev) e foi tirada no Verão de 1925 no pátio da Villa Belle Rose. A russa aparece também em filmes caseiros, num dos quais arranca pétalas a uma flor enquanto vai dizendo a lenga-lenga: “ele ama-me, ele não me ama, ele ama-me…”.

Há ainda fotos de outra das mulheres na vida de Picasso, Dora Maar. “Ele tirava-lhes constantemente retratos”, explica Richardson. “Por vezes há uma semelhança directa. Por vezes percebemos que ele está à procura da melhor forma de a pintar.” Para o historiador, o material fornece imensa informação. “Eu estava muito empenhado em consegui-lo”, diz, citado pelo Guardian. “Sentimos nas imagens sobretudo quando é que ele estava completamente apaixonado ou quando já estava desinteressado.” Mas as fotografias eram usadas por Picasso também para documentar a evolução de uma escultura ou para testar ideias num trabalho.

É, contudo, na figura de Olga, que foi mãe de um filho de Picasso, Paulo, e que se separou do pintor em 1935, que o texto do Guardian se centra mais. “Picasso apaixonou-se loucamente por ela quando ela era bailarina de Diaghilev. Mas ela tornou-se muito neurótica, e acabou mal. Não enlouqueceu, propriamente, mas tornou-se uma mulher ferida”, diz Richardson. O arquivo guarda imagens dos tempos felizes, em que Picasso e Olga passeavam por Espanha e Itália. “Ele tinha muito orgulho nela, ela era muito bonita.”

O historiador britânico, que foi amigo do artista nos anos 50 quando este vivia no Sul de França, escreveu já três volumes de uma biografia de Picasso, A Life of Picasso, e está neste momento a trabalhar no quarto. Além disso, é o curador da exposição Picasso & the Camera, que inaugurou no final de Outubro na Galeria Gagosian, em Nova Iorque, onde fica até 3 de Janeiro, e que mostra a relação, intensa, do artista espanhol com a fotografia.

A exposição inclui mais de 40 quadros, 50 desenhos, e 225 fotografias, muitas vindas do arquivo agora aberto graças à relação de amizade entre o historiador britânico e o neto de Picasso. Esta, explica o The New York Times, é já a quinta exposição sobre Picasso que Richardson organiza com a Gagosian, e as anteriores centraram-se sobretudo nas mulheres na vida do artista. Mas, disse o curador ao jornal nova-iorquino, “tinha esgotado as mulheres”. Por isso, no centro da nova exposição está a relação de Picasso com a máquina fotográfica – uma relação “muito mais complexa, fascinante e reveladora” do que o próprio Richardson tinha imaginado. 

Sugerir correcção