Comunidade portuguesa em Timor-Leste está “tranquila”

Entre os portugueses em funções públicas existe o receio de que a saída pode acontecer.

Na capital Díli “não se nota nenhuma animosidade em relação aos portugueses”
Foto
Na capital Díli “não se nota nenhuma animosidade em relação aos portugueses” Miguel Madeira

Um empresário português a trabalhar em Díli afirmou ontem ao PÚBLICO que a situação “é tranquila” entre a comunidade lusa em Timor-Leste. “Não se nota nenhuma animosidade dos timorenses ?em relação aos portugueses. ?Os próprios timorenses vêem esta expulsão de magistrados como um episódio político”, afirmou o empresário que opera em Díli na área do comércio e que pediu o anonimato.

O cidadão português ?diz que “não há qualquer receio” por parte da comunidade lusa em Timor-Leste de surgir algum mau estar em relação aos portugueses, embora acrescente que é prudente seguir as regras que a embaixada portuguesa na capital de Timor habitualmente recomenda, nomeadamente “não participar em actividades políticas ou discutir política local”.

Na noite de terça-feira ?em Timor-Leste um grupo de portugueses que trabalham em variadas áreas reuniu-se num jantar para discutir a situação no país após a polémica com a expulsão dos magistrados portugueses.

Em relação à situação laboral dos portugueses em Díli, ?os que trabalham para empresas privadas manifestaram-se “absolutamente tranquilos”, enquanto os funcionários públicos lusos destacados em Timor, nomeadamente professores e consultores, sentem que “a sua saída do país pode estar iminente”. 

Sugerir correcção