JavardAir

A Ryanair foi considerada a segunda pior empresa do mundo para os clientes. Mas apesar de tudo isto, é louvada como um grande sucesso e são-lhe oferecidas todas as facilidades fiscais.

Foto
Jonathan Lister/FLICKR Jonathan Lister/FLICKR

A Ryanair, em plena greve da TAP em 2011, enviou dez rosas ao sindicato dos tripulantes da companhia portuguesa, em “agradecimento” pela greve que levaria os viajantes para a “low cost” irlandesa. Foi a primeira vez que ouvi falar de Michael O'Leary, o director executivo da empresa. A estratégia de máximo conflito, máxima precariedade e competição selvagem é a imagem de marca. Enquanto a empresa expandiu cada vez mais a sua acção (tem hoje 303 Boeings e 175 a caminho), a agressividade da actividade económica sem controlo ou direitos revelou um modelo económico violento, ignorante e baseado na propaganda e nos baixos custos.

Este ano os trabalhadores da Aerlingus e do Aeroporto de Dublin descobriram que o seu sistema de pensões perdera 750 milhões de euros na bolsa, o que levou ao anúncio de cortes nas pensões actuais e futuras. Foi convocada uma greve, a que O'Leary respondeu: a empresa devia “mandar os sindicatos irem foder-se”. Na Ryanair não são reconhecidas quaisquer organizações de trabalhadores. Mas não foi a primeira vez que o patrão da Ryanair mandou pessoas e organizações para esta ou aquela parte.

Em 2012 chamava estúpidos aos clientes que não imprimiam os seus bilhetes, dizia que os ambientalistas e os agentes de viagens deviam ser abatidos a tiro e, quando questionado sobre como conseguia manter preços tão baixos nos voos, respondia sem hesitação: “os nossos pilotos trabalham de graça”. São tantas as polémicas à volta de O'Leary que há compilações das mesmas. Esta é uma prática de propaganda para chocar e insensibilizar, não muito diferente daquela utilizada pelo actual Governo português. E tal como no nosso caso, o grande problema não é só dizer-se estas barbaridades, mas praticá-las.

Em 2013, a Ryanair foi condenada por ter 127 funcionários em trabalho clandestino em França. Na Noruega, duas tripulantes da Ryanair divulgaram os seus contratos: os trabalhadores têm de pagar as suas formações, uniformes e cartões de identidade, quaisquer consumos a bordo são pagos, a participação em greves ou manifestações laborais dão origem a despedimentos sumários, todas as faltas são descontadas no salário (até por doença), a empresa pode mandar trabalhadores para casa em licença não-paga na época baixa, os contratos são confidenciais e a sua divulgação dá lugar a acção legal.

As trabalhadoras divulgaram-nos na mesma. A empresa descartou publicamente as acusações dizendo que, como ninguém era obrigado a trabalhar na empresa, "não era trabalho escravo". O calendário anual da Ryanair, em que coloca as suas tripulantes mulheres em biquini, foi muito contestado e em 2011 e a empresa disse que ia deixar de fazê-lo. Apesar disso, acaba de sair o calendário “Girls of Ryanair 2014”, com as tripulantes semi-nuas. Além da precarização de 8500 trabalhadores, o sexismo é marca low cost.

Apesar de se auto-intitular a empresa aérea mais ecológica do mundo, o director declarou estar pouco preocupado com os efeitos das alterações climáticas, que para ele não existem. É por isso irónico quando a empresa coloca propaganda a anunciar voos Lisboa-Porto em Santa Apolónia e no Oriente. É que a viagem de comboio, além de confortável, respeitosa e com preço similar, tem emissões desprezíveis. Já a Ryanair em 2012 emitiu mais gases com efeito de estufa do que a Etiópia e um pouco menos do que o Chipre.

Em Outubro, a Ryanair foi considerada a 2ª pior empresa do mundo para os clientes. Mas apesar de tudo isto, é louvada como um grande sucesso e são-lhe oferecidas todas as facilidades fiscais e administrativas para se instalarem. É questão de perguntar: com sucessos como a Ryanair e outras empresas destas, que javardeira de mundo, de empresas e de pessoas é que estamos a incentivar?