Cavaco Silva condecora Durão Barroso na segunda-feira

Passos destaca papel de Durão nos últimos dez anos em Bruxelas.

Durão Barroso no Parlamento Europeu durante o debate do Estado da União
Foto
Durão Barroso no Parlamento Europeu durante o debate do Estado da União Reuters

O até esta sexta-feira presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, vai ser condecorado na próxima segunda-feira pelo Presidente da República com o Grande-colar da Ordem do Infante D.Henrique.

“O dr. José Manuel Durão Barroso termina hoje [esta sexta-feira] o seu mandato (…) trata-se do mais alto cargo internacional alguma vez assumido por um português e cujo exercício prestigiou e foi de especial relevância para o nosso país”, refere a Presidência da República, em comunicado, esta sexta-feira.

Também neste dia, o primeiro-ministro assinala em comunicado o fim do segundo mandato de Barroso. “A liderança de dez anos do dr. Durão Barroso à frente da Comissão é, antes de mais, um símbolo do compromisso do sistema político-partidário português com o projecto europeu”, refere Pedro Passos Coelho. O primeiro-ministro assinala que na presidência de Durão Barroso a “União Europeia enfrentou crises consecutivas, de natureza institucional, económica e geopolítica”.

Depois de destacar que nos últimos dez anos, a União Europeia se transformou “num clube de 28 estados-membros”, Passos refere as dificuldades enfrentadas à frente da Comissão Europeia pelo antigo primeiro-ministro de Portugal. Da rejeição do Tratado Constitucional à negociação do Tratado de Lisboa, da crise económica aos desafios internacionais.

“Destaco, em particular, a acção decisiva que o dr. Durão Barroso teve, como pude testemunhar enquanto primeiro-ministro, mas igualmente, ainda como líder da oposição, na defesa firme da estabilização da zona Euro”, acentua Passos Coelho. O chefe do Governo refere, também, os passos dados para a criação da União Económica e Monetária e da União Bancária.

Por fim, Passos Coelho destaca o papel de Barroso na negociação dos dois quadros financeiros da União, bem como o apoio do Presidente da Comissão às posições portuguesas em matéria de reforço das interconexões e de concretização do mercado europeu de energia no último Conselho Europeu.