Despesa da Câmara de Sintra desce 5% no orçamento para 2015

Proposta foi aprovada pelo PS, CDU e PSD e contou com a abstenção dos vereadores independentes

Sintra vai ser cenário de uma das mais renhidas disputas eleitorais nas eleições de 29 de Setembro
Foto
Sintra vai ser cenário de uma das mais renhidas disputas eleitorais nas eleições de 29 de Setembro DANIEL ROCHA

A Câmara de Sintra aprovou ontem o orçamento para 2015, no montante de 150 milhões de euros, com uma redução de 5% na despesa corrente, e principais apostas no emprego, saúde, área social e requalificação urbana.

O orçamento municipal e grandes opções do plano foram aprovadas por maioria, com os votos favoráveis do PS, CDU e PSD e a abstenção dos eleitos do movimento independente Sintrenses com Marco Almeida (SMA).

Na proposta a submeter à assembleia municipal, citada pela agência Lusa, a câmara “prevê uma redução de sete milhões de euros na despesa corrente”, apesar da internalização das actividades das empresas municipais entretanto extintas.

As despesas com pessoal deverão ascender, ainda assim, a 48,2 milhões de euros, mais 3% do que na dotação corrigida de 2014 (46,8 milhões), enquanto que para aquisição de bens e serviços estão inscritos 53,4 milhões, contra os 52,3 milhões no corrente ano.

A autarquia reduz em 10 % a despesa de capital, passando de 31,1 milhões, em 2014, para 28 milhões, e aponta como prioridades a dinamização da economia com vista à criação de emprego, a saúde, a área social e a requalificação do espaço público.

No orçamento admite-se a possibilidade de um aumento para 154 milhões de euros, numa primeira revisão orçamental, caso sejam incorporados 4 milhões de euros do exercício anterior, para o reforço em 15% na requalificação do espaço público. O investimento na requalificação urbana, espaços públicos, acessibilidades e mobilidade estão estimados em 13 milhões de euros.

A dotação na área da saúde totaliza 3,9 milhões, entre 2015 e 2016, para a construção de cinco centros de saúde. Na acção social está previsto um aumento de 21%, passando de 2,7 milhões para 3,2 milhões de euros. Na educação estão previstos 12,9 milhões de euros para encargos correntes com a gestão escolar, refeições, transportes e serviços auxiliares de ensino.

“É um orçamento muito realista e muito prudente”, afirmou à Lusa o presidente da autarquia, Basílio Horta (PS), que destacou como prioridade a criação de emprego.