"A Casa Deles" também é "arquitectura ingénua" da vida portuguesa

Este pequeno livro desdobrável revela um conjunto de fotos de várias casas do bairro piscatório de Silvalde, Espinho

Pedro Lino
Fotogaleria
Pedro Lino
Pedro Lino
Fotogaleria
Pedro Lino
Pedro Lino
Fotogaleria
Pedro Lino

A ideia começou a desabrochar quando a arquitecta portuguesa Mariana Pestana estava a fazer uma caminhada por um pequeno bairro durante uma visita espontânea. Os padrões que compunham as casas, que lhe eram até então desconhecidos, chamaram-lhe a atenção.

Silvalde é uma freguesia no sul de Espinho. Nos seus limites encontra-se um pequeno bairro piscatório desconhecido para muitos, mas que já foi referido num texto do autor Ramalho Ortigão, "As Praias de Portugal", em 1876.

A arquitecta começou a visitar este local mais vezes. Após um registo fotográfico, Mariana juntou-se ao cineasta Pedro Lino e ao Professor Álvaro Domingues num pequeno projecto. Assim, este grupo criou o pequeno livro, intitulado “A Casa Deles” (“Their House”, título em inglês).

Foto
Pedro Lino

Este pequeno livro desdobrável tem 13 x 90 cm e apresenta um conjunto de imagens dessas casinhas. “A ideia do desdobrável tem a ver com uma referência aos postais, que usualmente mostram edifícios que representam cidades ou culturas. Estes postais mostram edifícios que normalmente ficam à margem das representações dominantes”, explicou Mariana ao P3.

Foto
Pedro Lino

Pedro e Mariana mais tarde entraram e contacto com a ex-jornalista Catarina Portas (fundadora das lojas A Vida Portuguesa). A empresária mostrou-se receptiva ao projecto, estando os seus livros neste momento à venda nas suas lojas.

As casas que compõem as imagens têm um padrão que se repete de casa para casa, padrão esse que consiste num diálogo entre elementos tradicionais e outros caracterizados como sendo “massificados, urbanos, anónimos”. Ainda assim todas as casas são distintas umas das outras: algumas têm inclusive um santo à sua porta. 

"Arquitectura ingénua"

Mariana vê a composição destas casas como sendo um tipo de “arquitectura ingénua” que “entra naquilo que é o imaginário da vida portuguesa”.

O autor do texto que acompanha as imagens é Álvaro Domingues, geógrafo, professor da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto e investigador no CEAU-Centro de Estudos de Arquitectura e Urbanismo. Muitas das suas publicações debatem temas tais como a geografia urbana, o urbanismo e a paisagem.

A Vida Portuguesa trata-se de uma loja que está intimamente ligada à revitalização de marcas tradicionais portuguesas. Surgiu pela primeira vez com o nome Uma Casa Portuguesa em Dezembro de 2004, renascendo em Maio de 2007 com o seu nome actual. Tem lojas em várias localidades e entre alguns dos seus produtos estão, os sabonetes da Confiança, as andorinhas da Bordalo Pinheiro, os lápis da Viarco, os cadernos das marcas Emílio Braga, entre outras marcas.

Mariana Pestana é arquitecta de profissão, estando actualmente a residir em Londres, onde costuma desenvolver actividades debruçadas sobre as áreas de arquitectura e curadoria/editorial. É a fundadora do grupo The Decorators que se dedicam a desenvolver diversos projectos de Arte Pública. Foi curadoras da Trienal de Arquitectura de Lisboa 2013, com a exposição “A Realidade e Outras Ficçoes” e foi uma das participantes na representação portuguesa na Bienal de Arquitectura de Veneza 2014.

Pedro Lino é cineasta também residente em Londres. De acordo com o seu site, muito do seu trabalho está “enriazado no desejo de explorar mundos singulares e imperfeitos”. Muitos dos seus filmes de animação e documentário, foram exibidos e premiados em vários festivais. Além de filmes foi também autor de várias capas de discos para a editora discográfica Bor Land.