Em 2024 os aviões não vão ter janelas mas vamos poder ver as nuvens

Projecto britânico propõe melhor entretenimento para o passageiro, menos peso e menor consumo de combustível.

CPI
Foto
CPI

Imagine-se um avião, sem janelas, completamente transparente. Se analisarmos essa hipótese com base na engenharia aeronáutica isso não será possível tão cedo, mas um centro de inovação tecnológica britânico apresentou uma alternativa que torna tudo possível através de ecrãs de alta definição. Além de alterar por completo a forma como se passa a viajar a bordo de um avião, o espaço interior aumenta e o peso e consumo de combustível diminuem.

As imagens do Centre for Process Innovation (CPI) são impressionantes. Podem ser inicialmente assustadoras para quem não gosta de andar de avião ou sofre de vertigens mas há que interiorizar que tudo o que se vê é virtual. Nas partes laterais e em quase todo o tecto da cabine as placas são substituídas por ecrãs de alta definição, criando um ambiente de entretenimento tanto para quem viaja junto à janela como para quem vai nos lugares junto ao corredor. Além dos ecrãs, o projecto do CPI propõe uma alteração da iluminação a bordo para que o efeito seja reforçado. O CPI explica que os ecrãs “ultra finos, muito leves e flexíveis são integrados na fuselagem e nas traseiras dos bancos sem caixas feias, desajeitadas ou pesadas”, isto para quem viaja nos lugares do meio ou junto ao corredor. Segundo o centro britânico, todas estas características ajudam a diminuir o peso do avião.Sublinhando que mais de 80% do peso total de um avião comercial está distribuído entre o próprio aparelho e no combustível, o CPI indica que cada redução de peso em 1% traduz-se numa poupança de combustível de 0,75%. “Com menos combustível, menos emissões de dióxido de carbono para a atmosfera e menos custos operacionais… todos ganham”, afirma o instituto. Os ecrãs que passam a substituir os painéis das laterais e tecto da cabine e que funcionam na parte na traseira do banco à frente do passageiro passam a funcionar como janelas virtuais do que se passa no exterior do avião, sejam nuvens, o anoitecer ou amanhecer, o luar ou um céu estrelado, tudo isto acompanhado com iluminação adequada a cada imagem.As imagens são projectadas através do que é captado por câmaras colocadas no exterior do avião e que dão o ponto de vista do passageiro como se estivesse a olhar por uma enorme janela, com a imagem a mover-se de acordo com os movimentos da cabeça do utilizador. Cada passageiro pode seleccionar as imagens que pretende entre as que estão a ser mostradas nos ecrãs dispostos ao longo da cabine e ainda navegar na internet.A proposta do CPI ainda não passa de um projecto mas o centro acredita que poderá tornar-se uma realidade dentro de dez anos. Para já, o principal problema é tornar flexíveis os ecrãs construídos com tecnologia OLED (Organic Light-Emitting Diode), ou seja produzidos com diodos de emissão de luz (LED) orgânicos. Esta tecnologia foi anunciada, por exemplo, pela LG para fabricar um ecrã com uma curvatura côncava entre a parte de cima e a de baixo, feito de plástico e não de vidro.

"O que seria óptimo seria fazer dispositivos baseados em OLEDs que são flexíveis. Podemos fazer transístores que são flexíveis, mas se podermos fazer OLEDs que sejam flexíveis, isso dá-nos um grande potencial no mercado, porque podemos imprimir OLEDs na embalagem, podemos criar ecrãs flexíveis ", explica Jon Helliwell, responsável do CPI, ao The Guardian.