Escolha dos júris dos apoios ao cinema provoca demissões

A cineasta Margarida Gil vai sair da SECA, a entidade responsável pela escolha dos júris, alegando que as televisões privadas e outros representantes do sector audiovisual concertaram as suas votações em detrimento do cinema.

Fotogaleria
Margarida Gil, da Associação de Realizadores Portugueses
Fotogaleria
Manuel Mozos

“Houve um lobby que se agrupou muito competentemente, e de forma perfeitamente legal, para votar em pessoas da sua confiança”, diz a realizadora, que afirma ter sido sempre contra a SECA, que considera “um pretexto para o ICA [Instituto do Cinema e do Audiovisual] e o titular da Cultura lavarem as mãos” e “manterem o controlo através de uma estrutura pseudo-democrática”, na qual “vale tanto o voto do representante de uma operadora de telecomunicações como o de uma personalidade convidada” por méritos reconhecidos.

É o caso do realizador Manuel Mozos, que integra a SECA por convite directo da Secretaria de Estado da Cultura e que, segundo afirmou ao PÚBLICO, tem também intenção de se demitir. A Associação de Realizadores Portugueses vai tomar uma posição pública esta quinta-feira e, segundo Margarida Gil, deverá justamente escolher como “momento simbólico” para o fazer a exibição do filme João Bénard da Costa – Outros Amarão as Coisas que Eu Amei, de Manuel Mozos, que passa às 22h no DocLisboa.

A composição dos júris aos quais caberá decidir que filmes irão beneficiar dos apoios do ICA foi votada pelos 18 elementos que integram a SECA, mas a escolha só se tornará definitiva após homologação do titular da Cultura, Jorge Barreto Xavier. Margarida Gil recusa-se a comentar a lista de nomes, centrando-se na crítica ao método de escolha, e sugere apenas que “qualquer um pode ir ver os currículos e tirar as suas conclusões”.

Já Pedro Borges, da produtora de cinema Midas Filmes, não se coíbe de assinalar alguns exemplos de jurados cujo currículo para “decidir o que se filma e não se filma” lhe merece reservas. O produtor cita Mário Augusto, conhecido do grande público pelos seus programas televisivos sobre cinema e pelas suas entrevistas a actores de Hollywood, Fernando Ávila, realizador de várias telenovelas, o radialista João David Nunes, Ana Rocha, actriz revelada na telenovela Morangos Com Açúcar, o jornalista José Fragoso, que foi director de programas da TVI, ou, “sabendo-se a situação em que está o Fantasporto”, a co-directora daquele festival, Beatriz Pacheco Pereira.

Tanto Margarida Gil como Pedro Borges se recusam a enquadrar este episódio na tradicional confrontação entre os defensores do chamado cinema independente e os que advogam um cinema dito mais popular. “Sensibilidades” que, diz Pedro Borges,  “devem ser respeitadas”. O que contesta é que “operadores privados de televisão se reúnam para tomar de assalto a distribuição de fundos públicos”. Também Margarida Gil assegura que “isto não tem nada a ver com questões de gosto”.

O PÚBLICO teve acesso aos nomes indicados para os vários júris, incluindo os suplentes, que só em circunstâncias imprevistas virão a ter alguma intervenção. Para referir apenas alguns dos concursos mais importantes, o júri escolhido para o primeiro concurso anual de longas-metragens inclui, como efectivos Carlos Fragateiro, Fernando Ávila, José Fragoso, João David Nunes e Artur Barros Moreira, sendo os suplentes Anabela Moutinho, Ana Isabel Strindberg e Isabel Lima. No segundo concurso para longas-metragens, os efectivos são Luís Salvado, Mário Augusto, João Wengorovius Meneses, Rafael Antunes e Simão Fernandes, ficando como suplentes Anabela Moutinho (de novo), Joana Ascensão e, finalmente, o ex-subdirector e director interino da Cinemateca, Pedro Mexia.

Aparentemente, nem sempre terá sido confirmada previamente a disponibilidade dos eleitos: João David Nunes já fez chegar ao PÚBLICO a informação de que não integrará o júri para o qual foi escolhido. "Não faço parte de qualquer desses júris, nunca fiz, nem farei, porque, para além do mais, não concordo com o sistema", escreve o radialista.

Beatriz Pacheco Pereira e Ana Rocha integram o júri para as primeiras obras (um dos suplentes é o crítico de cinema Eurico de Barros), e o que irá decidir os apoios a documentários inclui a realizadora Joana Pontes, ao lado de Artur Barros Moreira, Maria João Martins, Ruben Alves e Rafael Antunes. Com menos votos do que os anteriores, são suplentes os dois principais responsáveis do DocLisboa, Augusto M. Seabra e Cíntia Gil, e ainda a historiadora Irene Pimentel.

 

Esta notícia foi alterada no dia 23, às 19h00, para incluir a declaração de João David Nunes.