Paulo Pimenta
Foto
Paulo Pimenta

Megafone

O Cinema do/no Porto (ou a noite para além das Galerias)

O Porto respirou, respira e respirará cinema e parece redutor apregoar apenas os restaurantes e os bares como pontos de interesse da baixa, por muito bons que sejam (e alguns são-no!)

Todos falam da movida portuense, da quantidade desmedida de bares e restaurantes que nascem como cogumelos alucinogénios na baixa do Porto. Artigos em blogues, revistas e jornais dão conta da variedade disponível atualmente e fazem listas, rankings dos locais mais in. Porto, centro da diversão noturna.

Não leio, porém, artigos sobre a revitalização do cinema na baixa portuense (agradeço que me enviem, se estiver errado).

Diz a lenda que a praga dos terríveis “multiplex pipoca” deixou os pequenos cinemas do centro da cidade a definhar. Até mesmo o “multiplex indie” do Centro Comercial Cidade do Porto, o único que tentou combater esta deslocalização, desapareceu.

Durante anos.

Apenas o Passos Manuel era reconhecido como bastião de resistência do cinema independente, servindo de local preferido (e quase único) para as sessões dos resistentes do Cineclube do Porto durante alguns anos, antes de este ter rumado para a Casa das Artes.

Depois, em parceria com a Medeia Filmes, o Teatro do Campo Alegre começou a ter sessões de cinema e a cidade agradeceu. Os seus ciclos de Bergman ou Ozu provaram que os cinéfilos portuenses queriam mais e melhor cinema na cidade. Foi o catalisador há muito aguardado, uma espécie de cavaleiro que vem salvar a cidade, construindo, inadvertidamente, as bases para a criação de um exército cinéfilo.

O surgimento de outras associações foi natural. Assim como a utilização regular do Passos, elevado a Casa-Mãe do cinema Portuense. Aqui, a Associação Milímetro tem apresentado sessões à terça-feira e quinta-feira (atualmente com um ciclo sobre Kelly Reichardt), o Porto/Post/Doc tem programação às quartas e domingos, preparando o público portuense para o Festival de cinema documental que organiza entre 4 e 13 de dezembro. O Maus Hábitos tornou-se a nova casa do Shortcutz-Porto, onde as sessões competitivas (e não só) têm lugar às quintas-feiras. Exemplos de dinamização que passam no rodapé (se tiverem sorte) das notícias sobre os restaurantes da moda ou sobre o bar que tem aqueles cocktails geniais.

O Porto respirou, respira e respirará cinema e parece redutor apregoar apenas os restaurantes e os bares como pontos de interesse da baixa, por muito bons que sejam (e alguns são-no!).

Estamos perante uma revitalização da cultura portuense que deve ser anunciada, louvada e, claro, mantida e apoiada por todos.

N.C. Não fiz referência aos festivais de cinema da cidade propositadamente, pois considero que apresentavam apenas um rebuliço pontual (leia-se também, fundamental) no marasmo cinematográfico de então. Claro que me refiro ao Fantasporto (apesar da edição seguinte ser sempre uma incógnita) e outros de menor dimensão, como o Porto7.