Salgado pôs "o Moedas a funcionar”, mas ex-governante nega ter ajudado Grupo Espírito Santo

Semanário Sol revelou transcrição de reunião do GES em que Ricardo Salgado diz que o então secretário de Estado estaria disposto a interferir a favor do grupo.

Foto
Carlos Moedas nega ter funcionado a favor do Grupo Espírito Santo Rui Gaudêncio

Um membro do Grupo Espírito Santo (GES) sugeriu, durante uma reunião, "pôr o Moedas a funcionar" e Ricardo Salgado telefonou de imediato ao então secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro a solicitar ajuda para o grupo, que estava em dificuldades no Luxemburgo. Carlos Moedas, futuro comissário europeu, confirma que recebeu dois telefonemas do então presidente do GES/BES, mas garante que em momento algum deu sinal de se disponibilizar para ajudar o grupo, fosse falando com a Caixa Geral de Depósitos ou contactando o ministro da Justiça luxemburguês, o luso-descendente Félix Braz, com quem falou apenas duas vezes e em situações formais.

“O dr. Ricardo Salgado telefonou-me, efectivamente, pelo menos duas vezes. Atendi-o como sempre fiz com quem me contactou, mas o tema morreu ali. Nunca tomei qualquer iniciativa que desse seguimento à conversa", garantiu Carlos Moedas nesta sexta-feira em declarações ao PÚBLICO. E adiantou que os seus contactos com o ministro da Justiça do Luxemburgo [Félix Braz] "consistiram num simples telefonema de cortesia a felicitá-lo pela sua nomeação, dado ser luso-descendente, e um último, também de cortesia, quando veio a Portugal [início de Março de 2014] na comitiva oficial do primeiro-ministro, Xavier Bettel". 

O Sol revela na sua edição desta sexta-feira, com base nas gravações das reuniões do conselho superior do Grupo Espírito Santo (GES), a que teve acesso, ter existido uma conversa entre o então presidente do BES e Carlos Moedas, então secretário de Estado adjunto de Passos Coelho. O GES foi alvo de buscas policiais na véspera da detenção de Ricardo Salgado para interrogatório, a 25 de Julho, altura em que as autoridades levaram as gravações das reuniões do núcleo duro do GES.

“O Moedas, o Moedas! Eu punha já o Moedas a funcionar” – foi esta a frase que terá incentivado Ricardo Salgado a telefonar ao então secretário de Estado, a meio de um conselho superior da família Espírito Santo, que reúne os cinco ramos familiares. O apelo veio de José Manuel Espírito Santo, presidente do banco do grupo na Suíça, segundo revela o jornal Sol.

O encontro aconteceu a 2 de Junho, narra o Sol. Os membros da família estavam a tentar encontrar uma solução para os problemas financeiros do grupo e discutiam a hipótese de recorrerem a financiamento bancário. Essas dificuldades culminaram nesta sexta-feira com a Justiça luxemburguesa a negar à Espírito Santo International e à sua subsidiária Rioforte, que controlava os interesses não financeiros do grupo, a hipótese de gestão controlada. As duas sociedades vão assim entrar em insolvência e ser liquidadas para pagar aos credores.

"Carlos, está bom?"
Ricardo Salgado, na altura ainda presidente do BES, ligou rapidamente ao secretário de Estado. “Carlos, está bom? Peço desculpa por estar a chateá-lo a esta hora. Tivemos agora uma notícia muito desagradável. Tem a ver com a procuradoria no Luxemburgo, que abriu inquérito a três empresas. Temos medo que possa desencadear um processo complicado sobre o grupo. Porventura temos de pedir uma linha através de uma instituição bancária. Seria possível dar uma palavrinha ao José de Matos [presidente da CGD], para ver se recebia a nossa gente da área não financeira? Temos garantias para dar.”

Segundo o relato de Ricardo Salgado na gravação, Carlos Moedas ter-se-á disponibilizado para falar não apenas com José de Matos, mas também com o ministro da Justiça luxemburguês. “Ele abrir a porta para nós o contactarmos é excelente. Obrigado, Carlos, um abraço”, disse o presidente do GES durante a conversa telefónica.

Feito o telefonema, Salgado relatou ao resto da família o resultado da conversa. “O Carlos Moedas conhece o ministro luxembuguês, de quem é amicíssimo. Vai tentar contactá-lo para ver se nós o podemos contactar. Enfim, é uma coisa simpática. Ao José de Matos vai também tentar contactá-lo, mas não sabe se o apanha hoje”, transcreve o Sol, que é propriedade da Newshold (empresa também dona do jornal i), uma empresa que, por sua vez, é controlada pelo ex-presidente do BES Angola, Álvaro Sobrinho, e familiares. Em declarações ao PÚBLICO, Moedas desmente agora esta versão da conversa. 

O telefonema ao secretário de Estado aconteceu já depois de uma outra conversa telefónica com o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, também com o objectivo de que este desse “uma palavrinha à Caixa”. Pela reacção de Ricardo Salgado, a conversa não obteve os efeitos desejados. “Não percebe. Não quer perceber”, resumiu Salgado ao resto do conselho.

O PÚBLICO contactou a Procuradoria-Geral da República para saber se os factos narrados pelo Sol, nomeadamente o favor pedido por Salgado a um governante, desencadeariam algum tipo de acção. A procuradoria disse apenas não ter informação para acrescentar sobre o caso GES para além da que já tinha divulgado anteriormente.