Foto

É português o maior painel termodinâmico do mundo

Empresa da Póvoa de Varzim venceu concurso internacional, em parceria com estudantes da Universidade de Roma III, para a construção de casas energeticamente eficientes. Maior painel termodinâmico do mundo é 100% português

A Energie — Painéis Solares Termodinâmicos venceu o concurso internacional Solar Decathlon 2014 com o maior painel termodinâmico do mundo, que permite o aquecimento de água em contexto de habitação. A empresa foi a única representante portuguesa na competição universitária, em associação com um grupo de estudantes de arquitectura da Universidade de Roma III.

O desafio do Solar Decathlon era desenvolver casas energeticamente eficientes. Cada uma das 19 equipas a concurso teve de criar uma casa que incorporasse “soluções energéticas e aquitectónicas sustentáveis”, para servir de exemplo replicável em habitações sociais, explicou ao P3 Francisco Fernandes, director-geral da Energie.

A “integração arquitectónica na casa das soluções energéticas” era um dos requisitos e a empresa portuguesa desenvolveu um painel termodinâmico com duas finalidades: aquecer e refrigerar a água da habitação casa e servir de fachada na zona da varanda. “Muita gente nem se apercebe que está lá um painel solar”, diz Francisco.

PÚBLICO -
Foto

O protótipo da equipa luso-italiana “Rhome Team” foi construído em Itália e, depois, transportado para Versalhes (França), onde foi novamente montado e monitorizado “do ponto de vista do conforto, eficiência e sustentabilidade” pelo júri do concurso.

PÚBLICO -
Foto

O painel vencedor, feito na Póvoa de Varzim, tem um metro de largura por 3,5 de comprimento (maiores do que os normais, cujo comprimento se fica pelos dois metros) e está à venda a partir de 1.300 euros.

Da competição internacional, criada em 2002 pelo Departamento de Energia dos Estados Unidos da América, resultaram contactos para a Energie. “Já estamos a ser solicitados para fazer uma habitação social semelhante em Itália, num projecto de alguma dimensão”, concluiu o director-geral.

 

Sugerir correcção