Fidelidade assegura 96% do capital da ES Saúde

Foram poucos os accionistas que não venderam as acções à empresa controlada pelos chineses da Fosun.

Hospital da Luz, concebido por Manuel Salgado
Foto
Hospital da Luz é uma das unidades da ES Saúde Rui Gaudêncio

A Fosun, através da Fidelidade, vai ficar com 96% do capital da Espírito Santo Saúde (ES Saúde). Em troca, paga 459,8 milhões de euros (5,01 euros cada acção).

A empresa, que já garantira a participação de 51% detida pela Espírito Santo Health Care Investments (por sua vez controlada pela Rioforte em 55% do capital, pelo Novo Banco em 27,26% e pela Espírito Santo Financial Group em 17,74%), ficou esta tarde a saber que mais 45% do capital da dona de unidades como o Hospital da Arrábida, Luz ou Loures (em regime de PPP) já está nas suas mãos.

A ES Saúde foi alvo de várias ofertas de compra, dentro e fora de bolsa, mas na corrida acabou por ficar apenas a Fidelidade. O processo começou com a Oferta Pública de Aquisição (OPA) dos mexicanos do grupo Ángeles, que a 19 de Agosto ofereceram 4,3 euros por acção. A partir daí, o preço foi subindo. A José de Mello Saúde lança a 11 de Setembro uma oferta preliminar concorrente, propondo-se pagar mais dez cêntimos do que os mexicanos, o que levaria o grupo Ángeles a rever a oferta dias depois para os 4,5 euros.

A Fidelidade aparece na corrida a 23 de Setembro, oferecendo 4,72 euros por título. E três dias depois sobe a parada, subindo a sua própria oferta para os 4,82 euros quando efectuou o registo oficial. A José de Mello Saúde já tinha desistido da OPA e como os mexicanos não voltaram a rever o preço e mais nenhuma empresa apareceu na corrida, os chineses ficam isolados na OPA.

Se na oferta em mercado a oferta dos chineses seguia sem mais concorrentes, a luta pelo controlo accionista iria continuar fora de bolsa, com os norte-americanos da UnitedHealth Group a fazerem uma investida directa à Espírito Santo Health Care Investments (ESHCI) para ficarem com os 51% que esta detinha na ES Saúde.

A oferta paralela, de cinco euros por acção, superava o preço que a Fidelidade estava então a oferecer na OPA aos accionistas da ES Saúde e surgiu numa altura em que, legalmente, já não podiam surgir mais concorrentes na oferta pública.

A Fidelidade contestou a investida dos norte-americanos e a CMVM acabou por travar o negócio particular proposto pela UnitedHealth, considerando que a proposta veio perturbar a OPA e condicionar os accionistas.

O prazo da OPA da Fidelidade foi alargado e os chineses voltaram a subir o preço, superando em um cêntimo por acção o que os norte-americanos estavam a propor (para 5,01 euros).

Com a compra da ES Saúde, a Fidelidade fica com as 18 unidades e quer passar a ter uma oferta integral em seguros de saúde, hospitais, clínicas, medicina ocupacional e preventiva. A gestão da ES Saúde já afirmou que vê algumas vantagens na junção de forças com os chineses, como a aposta na medicina tradicional e na “medicina preventiva ou ocupacional”.

Quem se opuser ao negócio ou quiser pronunciar-se sobre a compra da Espírito Santo Saúde (ES Saúde) por parte da Fidelidade tem dez dias úteis para o fazer junto da Autoridade da Concorrência (AdC), até 29 de Outubro.

O regulador publicou nesta quarta-feira um aviso em vários jornais a dar conta de que foi notificada pela Fidelidade sobre a concentração de empresas que decorre da Oferta Pública de Aquisição (OPA) lançada pela seguradora sobre a empresa de saúde liderada por Isabel Vaz. “Quaisquer observações deterceiros interessados sobre a operação de concentração em causa” devem ser remetidas à AdC no prazo de dez dias úteis a partir desta quarta-feira.