Entrevista

Ébola? “Se as medidas forem cumpridas, estamos seguros”

Para António Sarmento, director de serviço de infecciologia no Hospital de S. João, “esta infecção por vírus ébola é má no sítio onde existe [África], mas aqui não vai dar pandemia”.

Foto
António Sarmento: “Qualquer doença contagiosa que mata preocupa. Agora, uma coisa é preocupar, outra é entrar em pânico” Nelson Garrido

António Sarmento, director do serviço de doenças infecciosas do Hospital de S. João, no Porto, uma das três unidades escolhidas para receber casos suspeitos de infecção por vírus de ébola em Portugal, diz que os hospitais têm todos os dias de lidar com apendicites, pneumonias e traumatizados e que não se pode hipertrofiar "uns problemas e esquecer outros".

À frente de um serviço de doenças infecciosas com a responsabilidade do Hospital de S. João, está muito preocupado com actual situação?
É evidente que qualquer doença contagiosa e que mata em qualquer parte do mundo nos preocupa. Agora, uma coisa é preocupar, outra é entrar em pânico. O pânico é péssimo, faz vítimas. Por outro lado, as pessoas têm de perceber que os recursos são finitos e limitados e que continua a haver todos os dias em Portugal apendicites, pneumonias, meningites, traumatizados e não podemos hipertrofiar uns problemas e esquecer outros.

Acha que é isso que está a acontecer?
Não, o que acho é que tudo aquilo que é sensacional, que mata gente, vende. O  perigo é que, se se hipertrofia muito isto, um dia há uma emergência realmente emergente e as pessoas ficam dessensibilizadas em relação às notícias. Dizem: lá vêm mais umas parangonas…

Acredita que se pode estabelecer um paralelo com o que aconteceu com a gripe A?
Não, de modo nenhum. Primeiro, a  gripe A era muito menos grave, matava pouco. Por outro lado, a gripe A tem a capacidade de conduzir a pandemia  a nível mundial, embora menos grave, e esta não. Esta [infecção por vírus ébola] é má no sítio onde existe [África], mas aqui não vai dar pandemia. Pode vir alguém, expatriado, que chegue infectado. Nesses casos, os hospitais que os recebem têm de tomar medidas de precaução para evitar que alguém contacte com os seus  fluidos corporais, não há contágio através do ar.

Os hospitais estão preparados para lidar com esta eventualidade? Há vários hospitais que não estão incluídos no plano de contingência definido pela Direcção-Geral de Saúde (DGS) que decidiram avançar para dar formação aos seus profissionais por sua iniciativa.
O que acontece é que há normas da Direcção-Geral da Saúde que os hospitais estão a cumprir. O que está preconizado é que se deve formar as pessoas que podem vir a contactar com estes doentes.

Mas isso não significa, em teoria, que seria necessário formar todos os profissionais de saúde?
Não, há que estabelecer prioridades. Significa para já formar os que estão no circuito de tratamento de possíveis doentes, o que faz mais sentido para infecciologistas, intensivistas e internistas do que, por exemplo, para oftalmologistas.

Em que consiste essa formação?
Basicamente, o que se pretende é que as pessoas tenham a certeza de que a sua pele não contacta com fluidos do doente. É o chamado "isolamento de contacto".

O S. João é um dos hospitais de referência para receber casos suspeitos. Já tinham o circuito montado?
Já tínhamos o circuito muito oleado, porque já houve outros alarmes que depois felizmente não se concretizaram, como o SARS [síndrome respiratória aguda grave]. Agora, a grande diferença em relação à gripe é que [o ébola] mata mais, mas eu não acredito, a não ser que haja uma mutação do vírus, que haja uma epidemia na Europa ou na América. O grande esforço que temos de fazer é lá [em África]. É preciso que se vá para lá, que se montem hospitais com tratamento de suporte adequado para estes doentes, até porque já se consegue reduzir bastante a mortalidade. Há três medidas fundamentais: diagnosticar os casos, tratá-los e isolá-los.

Mas isso não está a ser conseguido…
Está a ser difícil, porque estes são países pobres, desordenados, com pouca legislação. Mas é aí que se deve investir.

Como se explica, então, o que está a acontecer em Espanha, onde uma auxiliar de enfermagem ficou infectada ao cuidar de um doente, apesar de usar um fato de protecção e de no seu hospital haver todo um circuito de segurança montado?
Não há nada nesta vida que tenha risco zero. Há uns anos, houve um caso de ébola num hospital sul-africano e, dos cerca de 300 profissionais que contactaram com o doente, só um ou dois foram contagiados. Isto aconteceu porque eles, que nem sequer sabiam que o doente tinha ébola, seguiram as medidas-padrão, as que se devem seguir em todos os casos. Quanto ao facto de ter acontecido agora um caso [de infecção secundária] em Espanha, penso que foi um descuido, tanto quanto sei pelos jornais. Se as medidas forem cumpridas, estamos seguros.

Como procedem então os profissionais do Hospital de S. João, se tiverem de receber um caso suspeito?
Temos uma comissão cuja função é controlar a infecção dentro do hospital e tudo isto está definido. Se há um doente [infectado] que sabemos que vai ser transferido, este já entra directamente no serviço de doenças infecciosas, nem passa pela urgência, é transportado pelo INEM. Se é um caso suspeito, é primeiro validado pela DGS, chama-se o INEM e o doente entra também directamente no serviço de doenças infecciosas.

Quem está a ser formado, agora, no Hospital de S. João?
Todas as pessoas que, pelas suas funções, podem vir a  contactar com doentes. Médicos, enfermeiros, auxiliares e não apenas do serviço de doenças infecciosas, porque pode haver um doente que venha à urgência.

A DGS determinou esta semana que todas as unidades de saúde devem disponibilizar salas específicas para encaminhar eventuais casos suspeitos e mandou afixar cartazes com os sinais de alerta. Isto faz sentido?
É assim: em qualquer hospital ou centro de saúde há sempre um quarto vazio. Se não houver, esvazia-se. Se um médico estiver na consulta e lhe aparecer um doente com febre a dizer que veio da Libéria, da Guiné-Conacri ou da Serra Leoa, há menos de três semanas, as normas mandam ligar à DGS que depois valida o caso. De seguida, o INEM faz o transporte. O doente fica no quarto e põe uma máscara.

Foi preciso comprar mais equipamento sofisticado, por exemplo, fatos de protecção?
O equipamento nem sequer é muito sofisticado. O que interessa é que não tenhamos áreas da pele expostas.

Faz sentido recomendar que não se viaje para os países afectados pela doença em África?
A própria OMS diz que, para quem vai em viagem de negócios ou em turismo e não está em missão humanitária, nem anda metido em grutas com morcegos, nem a caçar ou a comer primatas infectados, o risco é baixíssimo.

O que devem os especialistas dizer às pessoas que estão confusas com todo este manancial de informação?
A população deve estar tranquila. Há outras doenças muito mais perigosas. Só a malária em África mata todos os anos, consoante as estatísticas, entre 600 mil e 1,2 milhões de pessoas. Isto é um drama.

Como explica, então, toda esta preocupação com o ébola, uma preocupação que nunca se verificou com a malária?
Porque sabemos que a malária não sai de lá [de África], a não ser os casos importados. A população entra em pânico, porque um caso de ébola que venha para cá infectado pode contagiar outras pessoas. No entanto, sob o ponto de vista humanitário, a malária mata muitíssimo mais gente.