UKIP elege primeiro deputado na Câmara dos Comuns

Um ex-conservador tornou-se no primeiro representante do partido eurocéptico em Westminster.

O novo deputado do UKIP (esquerda) ao lado do líder, Nigel Farage
Foto
O novo deputado do UKIP (esquerda) ao lado do líder, Nigel Farage Ben Stansall / AFP

Depois da grande vitória nas eleições europeias, o Partido da Independência do Reino Unido (UKIP, eurocéptico e anti-imigração) conseguiu eleger pela primeira vez um deputado para o Parlamento britânico.

Douglas Carswell é já um nome histórico para o partido que tem abalado a política britânica, mas está longe de ser um estreante em Westminster. O deputado pertencia ao Partido Conservador, pelo qual foi eleito em 2005 e em 2010 para o Parlamento, até ter abandonado os tories no final de Agosto para ingressar nas fileiras do UKIP.

A sua saída deu origem a novas eleições para o círculo de Clacton, na costa leste do Reino Unido. A mudança de partido não prejudicou Carswell que venceu as eleições desta quinta-feira com 60% dos votos, sete pontos acima do que tinha alcançado em 2010.

O novo deputado do UKIP pulverizou a concorrência, com uma vantagem de 35 pontos em relação ao candidato conservador Giles Watling, um antigo actor de sitcoms. “Algo de grandioso está a acontecer aqui, as pessoas querem mudança, estão fartas dos políticos de carreira dos três partidos”, afirmou o líder dos eurocépticos, Nigel Farage.

Mas para Farage, que tem na mira as eleições gerais do próximo ano, houve um resultado “ainda mais significativo” do que a vitória em Clacton.

Na outra eleição desta quinta-feira, no círculo de Heywood e Middleton, o Partido Trabalhista conseguiu eleger a sua candidata Liz McInnes, que sucede a Jim Dobbin, deputado que morreu este ano. No entanto, nesta região do Norte de Inglaterra – considerada um bastião trabalhista – o candidato do UKIP alcançou o segundo lugar, a uma curta distância de 600 votos da vencedora.

“Toda a política britânica foi abanada”, dizia Farage, que vê no UKIP “um verdadeiro partido nacional”. O correspondente da BBC, Chris Mason, escreveu que “o UKIP nunca tinha tido uma noite assim”. “Se Clacton deu a manchete, Heywood e Middleton deu a surpresa: o UKIP quase ganhava”, disse Mason.

Os eurocépticos tornam-se numa dor de cabeça para os partidos tradicionais, mas quem tem sofrido principalmente são os tories do primeiro-ministro David Cameron. Para além das derrotas nas urnas, o UKIP tem constituído um apelo crescente para os próprios deputados conservadores.

Carswell foi o primeiro, mas o UKIP espera conseguir um segundo lugar em Westminster nas eleições intercalares de 6 de Novembro em Rochester e Strood à custa de outro ex-conservador, Mark Reckless, que já lidera as intenções de voto.