Torne-se perito

BE acusa Passos de lesar o interesse nacional na PT

Mariana Mortágua diz que a posição do Governo não faz sentido
Foto
Mariana Mortágua diz que a posição do Governo não faz sentido Enric Vives-Rubio

A deputada bloquista Mariana Mortágua sustentou esta quarta-feira que o fim das golden share – defendido e concretizado pelo actual primeiro-ministro – acabou por provocar a “queda livre” da PT e lesar o interesse nacional. A maioria parlamentar PSD/CDS ficou em silêncio.

Numa declaração política em plenário, a deputada trouxe a lume a saída anunciada de Zeinal Bava da liderança da sociedade, que “deixou atrás de si os cacos do que foi a mais prestigiada empresa nacional”.  A desvalorização da empresa está associada ao fim da golden share (acções com peso decisório) que o primeiro-ministro garantia acautelar os interesses estratégicos do país.

“Das duas uma: Ou Passos Coelho (…) entendia que o interesse estratégico do país passava por entregar uma das mais importantes empresas nacionais a um pequeno fundo internacional, sem nenhum conhecimento e capacidade de investimento; ou estamos perante um acto consciente de favorecimento dos interesses privados. Em ambos os casos, é o interesse nacional que, mais uma vez, sai lesado”, apontou. 

A linha de argumentação foi reforçada pelo PS. “Como é que foi possível abdicar a troco de nada da  golden share daquela empresa?”, questionou Marcos Perestrello, apesar de reconhecer que o fim da golden share era determinado por Bruxelas.

“A legislação comunitária  obriga, mas tem alternativas de proteccção dos interesses estratégicos. O que estava em causa era a criação de um grande operador lusófono”, acrescentou, lembrando que “antes do Verão a PS valia 3,6 mil milhões de euros e hoje vale menos de metade”.

Na resposta ao PS, Mariana Mortágua recordou que, quando o actual Governo tomou posse, “já havia muitas empresas privatizadas” e perguntou a Marcos Perestrello se fazia um “mea culpa” sobre essas alienações, mas o deputado socialista já não tinha tempo para responder.

Na bancada do PCP, João Oliveira, líder parlamentar, notou o silêncio dos deputados da maioria parlamentar sobre a “perda de um activo estratégico para Portugal”.