PCP vai propor no Parlamento a nacionalização da Espírito Santo Saúde

Nas jornadas parlamentares, Jerónimo de Sousa acusou Cavaco Silva de ter culpa pelo afastamento dos cidadãos da política.

Foto
Jerónimo de Sousa Miguel Manso

Este braço do GES para a área da saúde gere actualmente a PPP – parceria público-privada do Hospital Beatriz Ângelo em Loures, e é dona do Hospital da Luz. Já foi alvo de quatro ofertas: a José de Mello Saúde avançou há um mês, mas recusou-se a registar a oferta sem ter luz verde do regulador; a americana UnitedHealth tentou negociar directamente com a RioForte oferecendo 4,75 euros por acção; a oferta da Fidelidade, controlada pela chinesa Fosun, é de 4,82 euros por acção; e a mexicana Ángeles começou por oferecer 4,3 euros e reviu para 4,5 euros. Só as duas últimas registaram as ofertas junto da CMVM. Este interesse do mercado tem feito subir constantemente as acções da ES Saúde.

Perante a possibilidade de este activo apetecível fugir para mãos longe do Estado, que tem feito entrar dinheiro no banco através do mecanismo bancário, o PCP vai propor que o Governo “tome as medidas legislativas e outras que sejam necessárias para transferir para a esfera pública os activos da ES Saúde, nomeadamente fazendo reverter a PPP que existe no Hospital Beatriz Ângelo, salvaguardando a continuação da prestação dos cuidados de saúde aos utentes, os postos de trabalho”, anunciou o líder parlamentar do PCP durante as jornadas parlamentares.

Mas deixa um aviso: as propostas do PCP de nacionalização de activos do BES não se vão ficar pela área da saúde porque a intenção do partido é que seja assegurado que os activos do Grupo Espírito Santo sejam mantidos intactos para que possa ser reposto o financiamento público injectado na holding.

Apesar de ter apresentado prejuízos de 16 milhões de euros no conjunto dos dois primeiros anos, o Hospital de Loures deverá já registar lucro este ano, ainda que pequeno, realçou ontem Artur Vaz, administrador executivo da SGHL – Sociedade Gestora do Hospital de Loures durante uma visita dos deputados comunistas àquela unidade de saúde. O contrato desta PPP é de 10 anos. E é nesses factos que João Oliveira se baseia para defender que “se dá lucro aos privados e dá prejuízo ao Estado, este não pode deixar de assumir uma posição de defesa do interesse público, que só se pode concretizar com a reversão da PPP”.

Não tendo tido consequências nefastas na operacionalidade do hospital, garante Artur Vaz, a polémica em torno da divisão do BES em banco mau e Novo Banco provocou um “aperto muito grande” na equipa de gestores. “Vou ser completamente sincero: em Agosto temi que não tivéssemos dinheiro para pagar os ordenados. Porque tudo o que era Espírito Santo no nome foi para o banco mau. E eu vi a conta desta sociedade gestora, que é detida a 99.98% pela Espírito Santo Saúde, no banco mau. E no banco mau a gente só mexe numa conta com a autorização do Banco de Portugal”, contou o administrador. A cisão foi a 4 de Agosto, mas Artur Vaz diz que só a 15 ou 16 de Agosto a situação foi desbloqueada, com a transferência da ES Saúde para a parte boa. Agora, o administrador só deseja que, seja qual for o novo dono, ele que venha depressa para poder dar “estabilidade” ao grupo.

Na abertura das jornadas, Jerónimo de Sousa não deixou de falar no BES, classificando de “verdadeiro escândalo” a presença no Fórum Algarve de José Maria Ricciardi ao lado de Passos Coelho, com o primeiro a “ser tratado como banqueiro impoluto e a perorar sobre a justeza das medidas do Governo para o BES”.

O líder do PCP recordou ainda as declarações de Cavaco Silva no domingo, que culpou os partidos e a organização do sistema político pela insatisfação dos portugueses com a democracia. Jerónimo fez questão de vincar que o Presidente “tem grandes culpas no cartório e na situação em que o país se encontra”.

Criticou as “manobras de diversão e falsas soluções que escondem os velhos objectivos anti-democráticos” como as tentativas de alterar a legislação eleitoral, ou sobre financiamento e funcionamento partidário – uma indirecta às críticas mordazes de Marinho e Pinto. Do Governo disse estar absorto numa “cegueira ideológica, acção destruidora e insensibilidade social e humana”.

O dedo apontado a António Costa surgiu quando Jerónimo recordou a recente proposta do PCP com “medidas desenvolvidas de renegociação da dívida, estudo e preparação de uma saída do euro e a recuperação do controlo público da banca”. Uma proposta directa que “confronta com as suas responsabilidades todos os que, falando de mudança e de ruptura com as políticas europeia e nacional dominantes, se refugiam em declarações e formulações evasivas e equívocas a pensar deixar ficar tudo na mesma”, afirmou, numa clara alusão ao facto de o candidato socialista a primeiro-ministro nunca ter dito o que se deve fazer em relação à dívida