Costa já decidiu: PS vai votar contra Orçamento

Agenda para a Década é apresentada a 6 de Novembro, directas realizam-se a 21 e o congresso a 28, 29 e 30 do próximo mês.

Foto

O grupo parlamentar do PS vai votar contra o Orçamento do Estado para 2015. Esta decisão está já tomada por António Costa, candidato a secretário-geral socialista nas directas que se realizarão dia 21 de Novembro.

A eleição pelos militantes segue-se à vitória nas primárias de domingo passado, em que Costa foi designado candidato a primeiro-ministro, contra o então secretário-geral, António José Seguro, que nesse dia se demitiu. Já o congresso para eleição da restante direcção realizar-se-á a 28, 29 e 30 de Novembro.

O voto contra o OE para 2015 faz parte da estratégia de oposição frontal que os socialistas agora liderados por António Costa irão fazer ao Governo de Passos Coelho. A ideia é marcar a discussão do Orçamento com uma oposição frontal ao Governo e procurar desmarcar o PS de uma imagem que possa existir de ter sido uma oposição fraca ou dócil nos últimos três anos.

Aliás, essa atitude de demarcação do passado foi assumida por António Costa na campanha das primárias, tendo o presidente da Câmara de Lisboa criticado António José Seguro pelo facto de o PS se ter abstido na aprovação do Orçamento do Estado para 2012, posição política que o anterior secretário-geral classificou então como “abstenção violenta”.

O debate orçamental será protagonizado pela bancada parlamentar, desde ontem oficialmente liderada por Eduardo Ferro Rodrigues, e que integra quatro nomes em representação dos apoiantes de Seguro, uma representação que deverá ser consagrada também nos órgãos eleitos em Congresso, a Comissão Nacional e a Comissão Política.

Ferro teve 45 votos a favor (69%), 11 contra (17%), seis brancos (9%) e três nulos (5%), num eleição em que votaram 65 dos 74 deputados. Depois de eleito, Ferro procurou dar sinais de que trabalhará para a unificação do partido. “Procurarei que este grupo parlamentar tenha um trabalho forte em prol de um combate duro contra o Governo, que tem lançado o país na confusão e na desgraça”, afirmou, acrescentando: “Conto com todos os deputados, independentemente das posições que tomaram nas eleições primárias [entre António Costa e António José Seguro]. Isso já está bem patente na direcção da bancada que foi eleita comigo."

Paralelamente ao debate do OE, Costa prepara a sua eleição como secretário-geral. Para isso, está em fase de finalização o documento estratégico Agenda da Década, que servirá de base e complemento à moção ao Congresso.

Com o objectivo de terminar esse documento com o contributo de todo o partido e aproveitar o que foi o trabalho de preparação de propostas de programa de governo sob a direcção de Seguro, os responsáveis da Agenda da Década reúnem para a semana com os actuais responsáveis do Laboratório de Ideias e de Propostas para Portugal (LIPP) e das conferências Novo Rumo.

O objectivo é que a Agenda da Década seja apresentada publicamente no dia 6 de Novembro, a semana em que o debate orçamental decorrerá na especialidade. A ideia é fazer o contraponto do discurso do Governo e das apostas governativas da coligação do PSD e do CDS com um projecto de governação alternativo ao de Passos Coelho.