Más notícias para dois bebés que à primeira vista tinham vencido o vírus

Foto
O vírus da sida já infectou 75 milhões de pessoas em todo o mundo DR

Durante uns tempos, foram uma centelha de esperança na batalha contra a sida. Logo após o nascimento, duas crianças norte-americanas receberam doses elevadas de anti-retrovirais e parecia que os medicamentos aplicados dessa forma tinham eliminado o vírus do seu corpo. Estiveram alguns anos sem tomar anti-retrovirais, mas as más notícias chegaram este ano: primeiro, em Julho, para uma das crianças e este sábado, num artigo na edição em papel da revista The Lancet, relata-se que o vírus também ressurgiu na segunda.

Uma das crianças, uma menina conhecida como o “bebé do Mississípi”, que nasceu infectada em 2010, foi tratada a partir das 31 horas de vida. Aos 18 meses, os médicos perderam o rasto da mãe, por isso durante dois anos o tratamento esteve interrompido. Quando a mãe reapareceu, os médicos não detectavam sinais do vírus na criança, o que levantou a hipótese de a terapia ter erradicado o vírus, ao ser tomada logo após o nascimento.

O caso do “bebé do Mississípi” foi muito falado nos media em 2013. No início deste ano, soube-se de outro bebé, nascido infectado pelo VIH em 2009, na Califórnia, e que também teria vencido esta luta. Nesta segunda criança, doses altas de anti-retrovirais começaram a ser dadas a partir das 12 horas de vida — e durante três anos, os testes não indicavam a presença do vírus. Tendo como alento o “bebé do Mississípi”, os médicos interromperam o tratamento, com o consentimento da mãe. Porém, apenas duas semanas depois os testes deram positivo para o VIH, diz agora na Lancet a equipa de Mario Clerici, da universidade de Milão (Itália), já depois da revelação de que o “bebé do Mississípi” tinha o vírus em níveis detectáveis.

“Os anti-retrovirais reduziram substancialmente a morbilidade e a mortalidade do VIH, mas não erradicam o vírus, porque não eliminam os reservatórios virais”, conclui a equipa. “A procura para uma cura do VIH continua.”