O autor dos bustos que chocaram deputados é um admirador de Bordalo que não foge às polémicas

Joaquim Esteves, barrista e caricaturista de Barcelos, acusa os parlamentares de défice democrático.

Fotogaleria
Joaquim Esteves, de 56 anos, explora a caricatura em barro desde 2001 Hugo Delgado/arquivo
Fotogaleria
Joaquim Esteves, caricaturado por si próprio DR
Fotogaleria
O artista diz que não pretendeu fazer caricatura com os bustos que lhe foram encomendados em 2010 e estão agora na AR Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha

“Não me espanta, vindo de pessoas com défice democrático. Eu gostava de saber a opinião desses deputados sobre o derrube de estátuas de Lenine na Ucrânia e noutros países de Leste”, atira Joaquim Esteves, considerando que “renegar a família, onde muitas vezes há gente de quem não gostamos, é renegar-se a si próprio”.

O artista barrista de Barcelos, reconhecido pelas suas caricaturas ousadas, confessa que o trabalho em causa até foge ao seu estilo, pois, seguindo a encomenda, tentou ser o mais fiel que conseguiu às fotografias dos estadistas. “É certo que hoje faria melhor”, assume este homem de 56 anos que é oleiro desde criança e que começou a fazer caricaturas em barro em 2001. Muitas vezes misturando argila com polémica.

Corria o ano de 2002 quando o então desconhecido artista pôs meia Braga, e principalmente a Igreja, à bulha com uma obra sua, que o município bracarense deixou que fosse exposta no posto de turismo local. A tríade Padres, Prostitutas e Paneleiros, mostrando um clérigo apalpando as nádegas das duas outras personagens, causou polémica e catapultou Joaquim Esteves, filho de oleiros e artista da nova geração, num concelho onde o barro, desde Rosa Ramalho, faz parte da identidade cultural local.

Desde então, este admirador de Bordalo Pinheiro – que se inspirou nele para criar um já conhecido Zé Galo, misto de Zé Povinho com galo de Barcelos – nunca parou de caricaturar, com barro e espátula, figuras maiores da política e não só: de queixo afiado, Figo passou-lhe pelas mãos; Cunhal, com as suas sobrancelhas farfalhudas, também; e até Sócrates teve direito a uma Socratina, bruxa com vassoura movida a gás fecal, que em tempo de aumentos do preço dos combustíveis, o então primeiro-ministro recebeu em casa. E que até agradeceu.

As peças de Joaquim Esteves que retratam os presidentes da República, incluindo os da ditadura militar e do Estado Novo, foram contestadas sobretudo pelo PCP e BE que exigem a retirada da exposição da Assembleia da República. A questão vai mesmo levar a uma reunião de urgência da Comissão de Educação, que deu anuência à realização da iniciativa.

Comunistas e bloquistas contestam sobretudo a inclusão dos presidentes da República dos tempos da ditadura, considerando que ao fazê-lo a exposição está a "branquear o fascismo". As bancadas do PSD e do CDS contestam esta leitura, mas também há deputados apenas desagradados com aquilo que consideram fealdade e falta de semelhança das peças com as figuras que pretendem retratar.

A exposição tem inauguração marcada para esta quinta-feira, numa cerimónia que contará com a presença do autor.