“Porto.” Esta é a nova marca da cidade

Imagem gráfica da cidade foi apresentada nesta segunda-feira e começa a invadir o Porto amanhã

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Houve aplausos de pé, selfies em frente ao grande painel de azulejo que, para já, está no átrio da Câmara do Porto, mas que há-de ter outros destinos, e houve novos pictogramas a nascer junto aos que acabavam de ser apresentados. A nova marca da cidade resume-se a um "Porto.". E não é coisa pouca porque, como disse o presidente da autarquia, Rui Moreira, na apresentação oficial deste conceito, o seu criador "teve a capacidade de simplificar, permitindo que num simples ponto coubesse o Porto todo".

Foi com esse ponto, sem mais artifícios, que a White Studio decidiu sintetizar o que entende da cidade para a qual criou a nova imagem. “Questionámo-nos muito: como é o Porto? Por mais análises que fizéssemos pode-se sempre resumir. O Porto é o Porto. Ponto. Acabou”, explicou ao PÚBLICO o designer Eduardo Aires, da White Studio.

A proposta não foi isenta de algum nervoso miudinho. Aquele Porto a que era apenas associado um ponto final poderia ser demasiado sintético para a Câmara do Porto, o cliente que a equipa de Eduardo Aires procurava satisfazer. “Tínhamos a dúvida se a câmara iria acatar uma capacidade de síntese tão elevada… Mas, afinal, era isso que procurava”, disse o designer, ainda antes da apresentação oficial.

Ao novo claiming da cidade, os criativos associaram uma imagem gráfica, de contornos azuis sobre um fundo branco, que foi beber a cor aos azulejos históricos da cidade, e as formas a tudo o que o Porto é – da francesinha aos eléctricos, das pontes ao vinho, da Casa da Música ao Mercado do Bolhão, do casario do centro histórico à Sé.

A equipa construiu “um Porto feito à medida de cada um” e que “pode ainda ser moldado”, defendeu Aires. Por isso, na apresentação da nova marca da cidade, foi instalado um painel com várias quadrículas vazias, para que qualquer pessoa pudesse inscrever ali um novo símbolo: uma fachada que não está ainda no emaranhado de desenhos proposto pela White Studio, um ícone esquecido, uma imagem ignorada…

Terça-feira, o sinal “Porto.” vai espalhar-se pela cidade e toda a imagem do município irá sendo, gradualmente, actualizada. Onde, até agora, existia o simbolismo verde implementado durante a anterior gestão autárquica, vai passar a aparecer o azul de linhas direitas ou arredondadas do novo conceito. E que pode ser composto apenas por um dos muitos ícones criados no gabinete da Rua de Alexandre Braga (como a fachada dos Paços do Concelho, que será o novo símbolo da Câmara do Porto) ou por um conjunto de várias imagens, que se associam de maneira diferente, adequando-se ao fim que se procura promover.

Esta segunda-feira deveriam entrar também em funcionamento as novas plataformas electrónicas do município e de todas as empresas municipais. A sinalética da autarquia – da fachada do Gabinete do Munícipe aos avisos nos bairros sociais – vai sendo progressivamente alterada. Alguns, de imediato, outros à medida que o "desgaste" próprio das coisas exija mudança. Por enquanto, apenas as placas toponímicas, também substituídas durante os mandatos de Rui Rio, continuarão inalteradas.