Nota de direcção

Passos Coelho no PÚBLICO

Actual primeiro-ministro foi colaborador regular em 1992-93, mas não no período de 1996 a 1999.

Foto
Passos Coelho Nuno Ferreira Santos

Em 2000, numa nota manuscrita remetida ao auditor da Assembleia da República e que acompanhava as declarações de rendimentos requeridas, Pedro Passos Coelho escreveu que “entre 96 e 99 constam rendimentos de trabalho independente por mim percepcionados e respeitantes a colaborações ‘jornalísticas’ na Antena 1, jornal ‘Público’ e semanário ‘O Independente’.”

E no requerimento datado de 23 de Maio desse mesmo ano Passos Coelho discriminava os rendimentos “por prestações de serviços” deste modo: 1.725.000$00 em 1996; 2.475.000$00 em 1997; e 625.000$00 em 1999. Sendo o jornal PÚBLICO, na nota manuscrita, referido como fonte de rendimento nesses anos, uma consulta aos arquivos (informatizados e em papel) diz-nos o seguinte: Pedro Passos Coelho foi efectivamente colaborador regular do jornal, mas em 1992-93, publicando um total de cinco artigos, eventualmente remunerados, em 23/12/92, 20/1/93, 17/2/93, 3/3/93 e 17/3/93. Porém, nos anos 1995 a 2000, inclusive, publicou apenas no PÚBLICO um curto artigo intitulado “Eu acredito” (4/3/96), sem que haja qualquer registo de por ele ter sido remunerado.

A Direcção Editorial

Sugerir correcção