O Rivoli Já Dança com dois ajustes directos à associação de Tiago Guedes

Câmara do Porto diz que programação foi decidida sem qualquer intervenção do novo director do teatro municipal

Foto

O município do Porto fez dois ajustes directos à associação cultural Materiais Diversos para que ela apresente dois espectáculos na cidade, no âmbito do programa O Rivoli Já Dança. A associação é ainda presidida por Tiago Guedes que é também o director de programação do Teatro Rivoli. A Câmara do Porto garante que o coreógrafo não teve qualquer interferência na escolha e que a contratação dos espectáculos da Materiais Diversos foi decidida antes de Guedes assumir a direcção do teatro municipal.

Os dois ajustes directos têm a data de 2 de Setembro e dizem respeito a dois espectáculos diferentes. O de valor mais elevado, de 10.358,44 euros refere-se à “aquisição de serviços de co-produção e apresentação do espectáculo De repente tudo fica preto de gente”, levado ao grande auditório do Rivoli esta sexta-feira e no sábado. A ficha técnica desta criação do coreógrafo brasileiro Marcelo Evelin refere que a Materiais Diversos é a responsável pela “difusão internacional” do espectáculo, que se apresentou também, no passado dia 19, no Festival Materiais Diversos, criado por Tiago Guedes e no qual este se mantém como director artístico até ao final do ano.

O segundo ajuste directo, de 8668 euros refere-se à “aquisição de serviços de co-produção e apresentação do espectáculo A Viagem de Filipa Francisco da produtora Associação Cultural Materiais Diversos”. O espectáculo, que contará com a participação do Grupo Etnográfico do Orfeão do Porto, está agendado para o próximo dia 15 de Novembro. No programa O Rivoli Já Dança, a participação da Materiais Diversos é ainda referida na “co-apresentação” da performance Atlas Porto, de Ana Borralho & João Galante, que encerrará o programa a 20 de Dezembro, mas fonte camarária diz que a associação não receberá qualquer verba por esta participação.

A mesma fonte desvaloriza, aliás, a presença da associação criada e presidida "sem remuneração" por Tiago Guedes no Rivoli, garantindo que este não teve qualquer interferência na escolha. “À semelhança do que aconteceu com a Ana Figueira [da Companhia Instável], que também concorreu à direcção do Rivoli e esteve entre os finalistas, foram feitos ajustes directos com os players do mercado. Por acaso, alguns deles foram concorrentes mas, não se sabendo quem ia ganhar, não houve qualquer inibição da câmara na construção da programação”, disse fonte da assessoria da imprensa.

A Companhia Instável é responsável pelos Solos Icónicos de O Rivoli Já Dança (3 a 7 de Dezembro) e apresenta também no mesmo palco o espectáculo Shelters, a 18 de Outubro.

Ainda de acordo com esta fonte, Tiago Guedes “não participou” na escolha da programação de O Rivoli Já Dança, uma vez que esta “já estava definida” quando este assumiu a direcção do teatro e a câmara não viu razões para “amputar um programa” já elaborado. “De facto, o procedimento do ajuste directo foi feito em Julho, mas como não houve reuniões de câmara durante todo o mês de Agosto, a decisão só foi ratificada em Setembro, razão pela qual os contratos só têm a data deste mês”, disse a mesma fonte.

O PÚBLICO anunciou em primeira mão, a 2 de Julho, que o bailarino e coreógrafo Tiago Guedes tinha sido o vencedor do concurso público para a direcção do Teatro Municipal do Porto – Rivoli e Campo Alegre. Na altura, ainda decorria um prazo para eventuais reclamações – que não vieram a acontecer – , mas a 10 de Agosto o PÚBLICO já publicava uma entrevista com o novo director de programação do Rivoli. A última reunião de câmara antes das férias foi a 29 de Julho.

Na apresentação da programação do Rivoli até ao final do ano, a 3 de Setembro, salientava-se que esta avançava ainda “sem o dedo” do novo director, uma vez que este só iria assumir a programação do teatro municipal em Janeiro de 2015.