Chinesa Alibaba estreia-se hoje em bolsa avaliada em 130 mil milhões de euros

Foto
Jack Ma, fundador da empresa, detém hoje participação de 8,9% Carlos Barria/Reuters

Empresa de comércio online pretende expandir--se para os EUA e Europa. Acções serão vendidas na Bolsa de Nova Iorque

A Alibaba é uma gigantesca empresa de vendas online e ainda mal saiu da China. Hoje, estreia-se na Bolsa de Nova Iorque, com uma valorização de 168 mil milhões de dólares (perto de 130 mil milhões de euros), depois de o preço de venda das acções ter sido definido nos 68 dólares.

Após semanas de apresentações a potenciais investidores, a procura fez com que a Alibaba revisse em alta o preço de cada acção e estabelecesse um intervalo entre os 66 e os 68 dólares. Ontem, a empresa acabou por fixar o valor no máximo do intervalo, de acordo com a agência noticiosa Dow Jones. A este preço, a empresa vai encaixar 21,8 mil milhões de dólares (cerca de 16,9 mil milhões de euros) com a venda de 13% do capital. Por comparação, o Facebook, que entrou em bolsa em 2012, vendeu acções a 32 dólares e obteve uma valorização de 104 mil milhões [81 mil milhões de euros ao câmbio actual].

A escolha de Nova Iorque - e não de Hong Kong, como chegou a ser equacionado, mas cujas regras de mercado não permitiam a estrutura de governação da empresa - é simbólica da estratégia que já delineou: uma expansão internacional, apontando baterias para os EUA e a Europa.

A empresa nasceu há 15 anos no apartamento do fundador, Jack Ma, e opera três grandes sites. O Alibaba é uma plataforma de comércio online entre empresas. O Taobao funciona de forma semelhante ao eBay, permitindo a particulares e pequenas empresas venderem directamente a consumidores. E o Tmall é um site de vendas online para ser usado por grandes empresas que pretendem chegar ao mercado chinês. Para além disso, o grupo tem também um serviço de pagamentos online (semelhante ao PayPal) e um outro de serviços de computação na nuvem.

A actuar sobretudo na China - o país com mais utilizadores de Internet do mundo e onde a classe média tem estado a ganhar peso - e com presença em alguns territórios asiáticos próximos, os sites da Alibaba totalizaram no ano passado 248 mil milhões de dólares em transacções, mais do que o eBay e a Amazon juntos. As receitas totais são mais pequenas do que a destes concorrentes, mas os lucros são maiores. Nos 12 meses até Março, a empresa facturou 8463 mil milhões de dólares e conseguiu lucros de 3720 milhões, quase quatro vezes mais do que no ano anterior.

"A oferta de venda inicial da Alibaba poderá muito bem ser o fim do domínio dos EUA no sector tecnológico global", considera Quing Wang, professor na Warwick Business School, no Reino Unido, cujo trabalho de investigação se debruça sobre empresas asiáticas que se expandem para o Ocidente. Wang nota que o desempenho das companhias asiáticas pode surpreender "alguns dos que estão de fora", mas que vários factores têm vindo a contribuir ao longo dos últimos anos para o fenómeno.

Um deles é "o enorme e crescente mercado doméstico". Mas os empreendedores chineses, argumenta, têm também sido espicaçados pelas incursões das empresas ocidentais na região. "A concorrência doméstica no mercado chinês, bem como das multinacionais que lá entraram, é muito grande e as empresas bem sucedidas, como a Alibaba tiveram de se tornar altamente empreendedoras e orientadas para o mercado."

A entrada da Alibaba em bolsa transformará Ma num dos homens mais ricos do mundo, mas o fundador tem uma participação de apenas 8,9% da empresa. A Softbank, uma operadora de telecomunicações japonesa, é a maior accionista, com uma fatia de 34%. Outra participação de peso é a do americano Yahoo. A multinacional, que nos últimos anos se tem debatido com problemas financeiros, é uma aliada histórica da Alibaba e é dona de 23% do capital.