Mourinho ataca Jorge Jesus: “Procuro não agredir a pobre gramática”

Troca azeda de palavras por causa de um jogador: Talisca.

Foto
Mourinho não gostou das declarações de Jorge Jesus, depois de Jorge Jesus não ter gostado das declarações de Mourinho GLYN KIRK/AFP

Já houve tempos em que José Mourinho e Jorge Jesus se elogiavam mutuamente. Agora os dois treinadores estão envolvidos numa guerra de palavras, que teve o mais recente episódio nesta quinta-feira, dia em que o técnico do Chelsea fez referência às gaffes gramaticais do treinador do Benfica.

A polémica está relacionada com o jogador brasileiro Talisca, contratado esta época pelo Benfica. Tudo começou com José Mourinho a elogiar o brasileiro, mas a dizer que havia vários clubes ingleses a segui-lo. “Se Talisca tivesse licença de trabalho estaria em Inglaterra”, disse Mourinho em entrevista à TVI, referindo-se ao facto de em Inglaterra haver algumas limitações à contratação de estrangeiros que não joguem habitualmente nas suas selecções.

Aparentemente Jorge Jesus não gostou do que ouviu e, na segunda-feira, em conferência de imprensa, foi irónico. “Talisca é um jovem e se o Benfica chegou primeiro mais uma vez demonstra que tem qualidade naquilo que faz. Para mim, pelos jogos que fez no Brasil, conheciam tanto o Talisca como eu conhecia o D'Artagnan”, comentou.

Agora, em entrevista ao Maisfutebol e à TVI, José Mourinho responde de forma dura a Jorge Jesus.

“Vou ser mais explícito, para os menos inteligentes perceberem claramente: o Benfica tem uma boa estrutura de observação com gente que eu conheço bem, tem um presidente que, chapeau, tem a capacidade de dar ao seu treinador a possibilidade de ter bons plantéis e bons jogadores. Não gostei de um colega de profissão ter duvidado das minhas palavras que, para além disso, foram comentários positivos”, disse o treinador do Chelsea, desferindo depois um ataque às gaffes de Jorge Jesus.

“Mas fico contente por perceber que ele lê Alexandre Dumas. Ao contrário de mim que, sinceramente, com a vida que tenho, e por estar a trabalhar fora de Portugal há tanto tempo, limito-me a ler quando posso a gramática portuguesa, que é para um dia não me acusarem de andar aos pontapés com ela”, acrescentou Mourinho.

Questionado sobre se estava a referir-se às declarações de Jorge Jesus, Mourinho não fugiu à resposta. “Parece-me que ele é íntimo de D’Artagnan, anda a ler Alexandre Dumas. E admiro-o por isso. Eu limito-me à minha identidade, não leio Dumas. Tenho uma vida diferente, procuro educar-me para exactamente um dia não ser acusado de andar aos pontapés, a agredir a pobre da gramática”, acrescentou o treinador.

José Mourinho insistiu ainda na ideia de que o Benfica teve mérito na contratação de Talisca, elogiando o departamento de prospecção do clube da Luz. “O Benfica tem pelo menos um observador de grande capacidade, que eu conheço bem – e terá mais. E depois tem uma direcção que conseguiu contratar um excelente jogador. Óptimo para o Benfica, para o futebol português e para o rapaz, que foi para um clube gigante e uma cidade fantástica. Para mim, nenhum tipo de problema, simplesmente não gostei que um colega de profissão duvidasse das minhas palavras. Mas tudo bem: que seja feliz e que tenha muita sorte.”

A polémica podia ter continuado, mas Jorge Jesus já disse que por ele "acaba aqui", porque não quer polémicas com José Mourinho.