Proposta de lei da cópia privada não segue tendência europeia, diz a Digital Europe

Paul Meller fala em "imposto encapotado".

Num dos casos citados, 2000 computadores foram infectados com vírus
Foto
Num dos casos citados, 2000 computadores foram infectados com vírus Kacper Pempel/Reuters

A proposta de lei da cópia privada, apresentada pelo Governo, é um "imposto encapotado" que não segue a legislação que está a ser aplicada na União Europeia, afirmou nesta segunda-feira o responsável da organização internacional Digital Europe, Paul Meller, que representa empresas do sector das tecnologias de informação.

Na semana em que os deputados discutem em plenário - na quarta-feira - aquela proposta de lei, a Digital Europe alertou, num encontro em Lisboa, para o impacto negativo da aplicação daquela lei no mercado da electrónica de consumo e para a injustiça para o consumidor final.

Em causa está uma proposta de lei, apresentada em Agosto pelo governo, que tem como objectivo compensar financeiramente autores e artistas pelo facto de um consumidor adquirir equipamento e dispositivos que armazenem obras como músicas e filmes. "Fazer uma cópia ilegal não é o mesmo que fazer uma cópia legal privada. Parece do senso comum, mas ninguém diz isso. E o consumidor final não saberá o que está a pagar. É um imposto encapotado", afirmou Paul Meller.

Segundo a proposta de lei, a taxa a aplicar aos equipamentos e dispositivos - como por exemplo, leitores de MP3, telemóveis ou CD - variará entre 0,05 cêntimos e vinte euros. A cobrança, gestão e distribuição das verbas arrecadas será feita pela Associação para a Gestão da Cópia Privada. "Nós apoiamos a compensação justa aos artistas, mas não por via de um pagamento duplo ou triplo por uma mesma música", exemplificou Paul Meller.

A Digital Europe, organização que representa 56 empresas do sector das tecnologias de informação e 36 associações europeias, considera que a aprovação desta proposta de lei portuguesa é um retrocesso em que relação ao que está a ser feito na generalidade dos países da União Europeia.

Paul Meller deu como exemplo o Reino Unido, que este ano aprovou uma excepção na lei precisamente para proteger os consumidores que pretendem adquirir equipamentos para fazer cópias privadas - por exemplo, guardar fotografias, copiar um CD para uso privado. Em Espanha, segundo o mesmo responsável, a compensação equitativa aos autores e artistas é feita através de um fundo suportado pelos impostos.

Paul Meller recordou que a União Europeia anda há 13 anos a braços com uma directiva, sobre direitos de autores e cópia privada, que está a ser adoptada de modo diferente por cada um dos Estados-membros. No encontro em Lisboa, José Valverde, director da Associação Empresarial do Sectores Eléctrico, Electrodoméstico, Fotográfico e Eletrónico (AGEFE), reafirmou a oposição à proposta de lei do Governo e acredita que "a maioria dos deputados" irá votar contra.

Ana Isabel Trigo Morais, directora-geral da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED), foi contundente: "Portugal vai legislar no sentido contrário à União Europeia e a prazo vai ter que alterar a lei e vai ser obrigado a harmonizar a legislação." A responsável recordou que o mercado da electrónica de consumo sofreu uma quebra de 30 por cento desde 2010, mas o consumidor português vai continuar a consumir e "vai encontrar alternativas", sobretudo no retalho online.