Morreu João Álvaro Rocha, arquitecto do Porto social

O arquitecto foi responsável pelos projectos de três estações do Metro do Porto e por vários complexos de habitação social na área metropolitana da cidade.

Fotogaleria
João Álvaro Rocha DR
Fotogaleria
Projecto da Rua da Bajouca, na Maia DR
Fotogaleria
Projecto da Rua da Seara, em Matosinhos DR
Fotogaleria
Palacete da Quinta da Gruta, na Maia DR
Fotogaleria
Estação de metro do Parque da Maia DR

João Álvaro Rocha, arquitecto com um vasto trabalho na área da habitação social e colectiva, morreu este sábado, aos 55 anos, com cancro.

Com 32 anos de carreira, João Álvaro Rocha desenvolveu grande parte do seu trabalho na área metropolitana do Porto - foi o arquitecto dos projectos de habitação social do Lugar do Outeiro (1999) e da Rua da Bajouca (2001), ambos na Maia e, em 2004, na Rua da Seara, em Matosinhos. Mais recentemente assinou complexos habitacionais como o de Fafe, em 2008, e o de Penela, em Coimbra, em 2012.

Foi com o projecto de habitação social em Matosinhos que ganhou em 2005 o Prémio de Arquitectura Vale da Gândara, promovido pela Ordem dos Arquitectos. Na altura, disse em entrevista que “o facto de [este prémio] ter sido atribuído a uma obra de habitação social, um tipo de projecto que normalmente é desvalorizado pelas entidades oficiais e pela opinião pública porque não é 'espectacular', nem mediático” era muito importante para si.

Para lá das "valias estéticas", João Álvaro Rocha queria chegar a um "gesto de urbanidade": "coeso na sua forma de se relacionar com o território e que se constitua num simples, mas verdadeiro, suporte à vida das pessoas. É este o sentido de transformação que historicamente tem caracterizado toda a grande arquitectura", escrevia a propósito de um dos projectos sociais na Maia, onde tinha o seu atelier.

Autor de três estações do Metro do Porto, todas elas na Maia, quis que esses trabalhos não fossem vistos isoladamente, mas que contribuíssem para o projecto urbano da cidade. “As intervenções realizadas no âmbito do Metro do Porto deverão ser entendidas neste quadro, nesta vontade que assumimos em enfrentá-las como se fossem um único projecto, em que o desenho teve que saber ultrapassar os limites físicos de cada uma para assim se poder 'construir' cidade”, escrevia entre 2001 e 2007, a propósito do projecto.

Esteve também envolvido no planeamento do Parque Urbano da Quinta da Gruta, na Maia, tendo sido responsável pela renovação do palacete desse parque, em 2001, o que exigiu, dizia, “uma quase ‘arqueologia’ do lugar” devido às sucessivas intervenções que o edifício sofreu ao longo dos anos, sem que houvesse entre elas qualquer relação.

Para além da sua actividade como arquitecto, esteve também muito ligado ao ensino: professor da Faculdade de Arquitectura na Universidade do Porto durante 11 anos, passou também por escolas nos Estados Unidos, França, Espanha ou Itália – actualmente era professor na Escola Superior de Arquitectura de Navarra, em Espanha, e professor convidado na Università degli Studi di Cagliari, em Itália.