Editorial

Finalmente, o debate começou no PS

Acabou por ser interessante a solução dos dois debates seguidos entre os candidatos à liderança do PS.

Recuperado do choque da véspera mas ainda a quente, António Costa demonstrou porque é que tantos notáveis, tantos militantes das bases e tantos independentes estão com ele. Seguro não poderia repetir a sua incompreensível estratégia de agressividade e auto-vitimação, nem poderia voltar a debater como se tivesse acabado de saber que Costa queria o seu lugar. Passaram 130 dias desde que o presidente da Câmara de Lisboa anunciou a sua candidatura e, finalmente, o debate começou. Ainda soube a pouco. É verdade que as 80 medidas do Contrato de Confiança do partido não são mais do que uma lista de boas e genéricas intenções. Terá as tais “seis propostas e meia” novas. Mas este vazio é um problema de ambos. Afirmados os estilos, falta a segunda parte. As ideias concretas para tornar Portugal melhor.