Torne-se perito

Seis meses depois, onde está o avião da Malaysia Airlines?

O que aconteceu a bordo? Foi um acidente ou um ataque? Perguntas feitas pelas famílias dos passageiros e tripulação ainda não têm resposta.

Fotogaleria
Zhang Yongli mostra um crachá de um grupo de apoio aos familiares de passageiros desaparecidos. A filha de Zhang Yongli era uma das passageiras a bordo. REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Fotogaleria
Zhang Yongli com um poema que escreveu para a filha. REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Fotogaleria
O pai com os peluches da filha, Zhang Qi. REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Fotogaleria
Li Zhen continua a aguardar por notícias do marido que se encontrava a bordo. Conta com a companhia do gato do casal. REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Fotogaleria
Cheng Liping mostra a máquina de barbear do marido que também está desaparecido. REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Fotogaleria
Os dois filhos pequenos não sabem do incidente e continuam a perguntar quando vão voltar a ver o pai. REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Fotogaleria
Cheng Liping mostra uma fotografia do casal e um cartão oferecido pelo marido. REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Fotogaleria
A vida "transformou-se por completo", diz Cheng Liping. REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Fotogaleria
O filho de Hu viajava a bordo com a família. Hu diz que pensou suicidar-se após o acidente. REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Fotogaleria
Hu perdeu o filho, a nora e a neta. A casa está agora mais vazia. REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Fotogaleria
Liu com o anel que pertencia ao marido. Ainda hoje recorda a última conversa telefónica que tiveram, em que discutiram. REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Fotogaleria
Uma fotografia do marido. REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Fotogaleria
Dai Shuqin perdeu toda a família. O saco que a irmã mais nova lhe havia oferecido é companhia diária. REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Fotogaleria
Liu mostra um dos últimos registos de mensagens trocadas com o marido que também está desaparecido. REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Fotogaleria
Liu e o marido casaram uma semana antes do acidente e a lua-de-mel ficou adiada pelo trabalho do marido. Já tinham preparado o quarto para os futuros bebés. REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Fotogaleria
Liu com uma foto do marido. REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Fotogaleria
Zhang perdeu o marido Wang Houbin a bordo. Guarda as chaves do carro que ele conduzia. REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Fotogaleria
A mãe de Wang Houbin não se conforma com o desaparecimento. REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Fotogaleria
Na última conversa com a mãe, Wang disse que iria regressar em breve para a visitar. REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Fotogaleria
O irmão mais novo de Liu Kun seguia a bordo. Ela ainda tem esperança de que ele esteja vivo. REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Fotogaleria
Os pais de Wen Yongsheng mostram os medicamentos que toma desde o desaparecimento do filho.Vivem agora um pequeno hotel em Beijing para terem maior acesso a qualquer informação nova que seja revelada. REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Fotogaleria
Zhiliang perdeu a noiva no acidente, com quem planeava casar este ano e começar a decorar a casa nova de ambos. REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Fotogaleria
Zhiliang na casa que permanece vazia até se saber o que aconteceu à noiva. REUTERS/Kim Kyung-Hoon

Há precisamente seis meses, um avião da Malaysia Airlines desapareceu dos radares. O silêncio e mistério têm marcado o caso. Não se sabe onde o aparelho está, o que aconteceu e onde estão as 239 pessoas que seguiam a bordo. As investigações repetem-se sem resultados conclusivos. Às famílias dos passageiros e tripulação foram oferecidas compensações financeiras pelas suas perdas, mas a maioria recusou. Para elas, enquanto não se souber onde está e o que se passou com o Boeing 777-200, não há lugar para acordos com a companhia aérea e com o governo malaio.

A 8 de Março, o voo MH370 da Malaysia Airlines saída de Kuala Lumpur com destino a Pequim. Nunca chegou ao aeroporto chinês. Do aparelho, as autoridades receberam apenas silêncio assim que este sobrevoou a zona do golfo da Tailândia, sem que algo indicasse o que teria acontecido a bordo ou se soubesse a última localização exacta do Boeing 777-200. Um radar militar detectou um sinal do avião a noroeste do estreito de Malaca e depois nada.

O que aconteceu é um mistério, um dos mais maiores da história da aviação comercial. Desde o dia do desaparecimento do aparelho, as operações de busca multiplicaram-se e acabaram por se centrar a cerca de 1800 quilómetros da costa ocidental australiana, no oceano Índico.

Mais de 20 países integraram as acções de busca e sem resultados definitivos, os investigadores têm avançado várias versões sobre o que poderá ter acontecido. Acidente, com o despenho do avião no ar ou desintegração em pleno voo, uma avaria técnica, ou mesmo o resultado de um acto deliberado de um dos pilotos ou de uma outra acção premeditada.  A hipótese que tem recolhido mais apoio é a que uma brusca queda dos níveis de oxigénio a bordo que deixou a tripulação e os passageiros inconscientes. O avião terá continuado a voar em piloto automático, até se despenhar no mar devido à falta de combustível.

Durante os últimos seis meses foram analisados perto de mil caminhos que o aparelho poderia ter percorrido até desaparecer. A zona a sul do oceano Índico, numa área de 60 mil quilómetros quadrados, acabou por ser a região onde se têm concentrado as buscas, lideradas pela Austrália e Malásia, com o apoio de outros países. As caixas negras do aparelho há muito que deixaram de funcionar e os sinais detectados por embarcações do que poderia ser o avião não revelaram nada. Também nenhum destroço do avião foi até agora encontrado.

As buscas aéreas foram dadas por terminadas no mês seguinte ao desaparecimento do avião e as pesquisas por mar em Maio. Desde então, embarcações australianas e chinesas fazem um registo batimétrico do fundo do oceano, que mede a profundidade e o relevo do fundo do mar. Este registo vai ser essencial para uma nova operação de busca de uma equipa australiana e holandesa, a ter início este mês, no valor de mais de 31 milhões de euros, segundo o jornal The Telegraph. A agência noticiosa Itar-Tass indica que a Malásia e a Austrália vão apoiar as buscas ao Boeing 777 com um total de 92 milhões de euros.

Famílias dos passageiros recusam indemnizações
Para as famílias dos passageiros, principalmente os de nacionalidade chinesa (seguiam também a bordo cidadãos do Canadá, Indonésia, Ucrânia, França, Holanda e Austrália), consideram que tanto a Malaysia Airlines, como o governo malaio não apresentaram todos os dados recolhidos sobre o que aconteceu e exigem respostas das partes envolvidas.

Antes de se saber o que se passou com o Boeing 777-200, as famílias já receberam propostas de indemnização pelas suas perdas. Segundo alguns desses familiares, foi oferecida uma compensação no valor de 38.500 euros, mas apenas sete famílias aceitaram a proposta. As restantes consideram que aceitar uma indemnização é aceitar que o avião caiu no mar, sem que se saiba o que aconteceu.

A confirmar-se o valor da indemnização oferecida esta fica muito abaixo do que estabelece a convenção de Montreal, uma compensação de mais de 135 mil euros por passageiro que tenha morrido.

Esta segunda-feira foi realizada uma cerimónia de oração no templo budista de Lamas, em Pequim, onde perto de 30 familiares dos passageiros do voo MH370 da Malaysia Airlines (seguiam a bordo 153 chineses) estiveram reunidos e criticaram a actuação no caso das autoridades chinesas, que acusam de maltratar as famílias das vítimas.

“Cada dia é uma tortura, mas no dia de hoje sofremos ainda mais”, disse à AFP uma mulher, que perdeu a filha a 8 de Março - falou sob a vigilância de polícias que estiveram no local da cerimónia, que depois se transformou numa manifestação, levando os agentes a dispersarem as pessoas presentes.

Dai Shuqin, que tinha a irmã entre os passageiros, espera que o Governo chinês dê informações sobre as investigações. “Não sabemos se [o Presidente] Xi Jinping sabe alguma coisa ou não, mas se sabe esperamos que nos diga”.

Segundo Dai Shuqin, em Julho, perto de 30 familiares foram detidos, incluindo duas crianças, e dois deles agredidos quando se manifestavam à porta das instalações da Malaysia Airlines, em Pequim, a exigir explicações.

Na Malásia também se realizou, este fim-de-semana, uma cerimónia em memória das vítimas, em que participaram centenas de pessoas. "Dói-me o coração por ainda não termos informações sobre o que aconteceu com o MH370. O meu espírito não está em paz", desabafou à AFP Selamat Umar, cujo filho viajava no avião que desapareceu.

Desde o desaparecimento do voo MH370 e do voo MH17 Malaysia Airlines, este último abatido por um míssil quando sobrevoava a Ucrânia, a companhia aérea sofreu um forte abalo financeiro. Está prevista o despedimento de seis mil funcionários, perto de um terço do pessoal, e estima-se que a empresa esteja a perder cerca de 1,5 milhões de euros por dia.

Sugerir correcção