Apoiantes de António Costa vencem em dez das 19 federações do PS

Candidatos que apoiam Costa ganharam sobretudo no centro e no Sul. Braga foi a excepção.

Foto
Manuel Roberto

As eleições para as federações do PS concluíram-se no sábado, com os candidatos que apoiam António Costa às eleições primárias socialistas a vencerem em dez das 19 estruturas. Os candidatos que apoiam o presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, nas primárias socialistas de 28 de Setembro venceram em Lisboa, Aveiro, Federação Regional do Oeste, Leiria, Setúbal, Braga, Castelo Branco, Portalegre, Évora e Algarve.

Os candidatos que apoiam nas primárias o secretário-geral do PS, António José Seguro, venceram em Bragança, Viana do Castelo, Coimbra, Viseu, Santarém, Baixo Alentejo, Guarda, Porto e Vila Real.

Em Braga, Joaquim Barreto, apoiante de António Costa, venceu as eleições por "cerca de 500 votos" a Maria José Gonçalves, apoiante de António José Seguro, mas manteve a intenção de impugnar o acto eleitoral por querer uma vitória com "verdade democrática". "Vou manter o que disse no voto de protesto. Ganhei, mas estes resultados são falseados. Por exemplo, em Cabeceiras de Basto fui confrontado com gente que pertenceu nas últimas autárquicas a listas adversárias do PS a votar, isto a juntar à vergonha que se verificou com os cadernos eleitorais e com a própria convocatória das eleições", declarou Joaquim Barreto à Lusa, depois de conhecidos os resultados que lhe davam a vitória com 2240 votos contra 1669 de Maria José Gonçalves.

As votações concluíram-se em oito federações no sábado, juntando-se aos resultados das federações que realizaram as eleições na sexta-feira, perfazendo o total das 19 estruturas socialistas. No sábado, decorreram as votações em Braga, Coimbra, Castelo Branco, Viseu, Santarém (começou na sexta-feira), Porto, Vila Real e Algarve.

O actual presidente da Federação Distrital de Coimbra, Pedro Coimbra, apoiante de António José Seguro, foi reeleito para o cargo, que disputou com Mário Ruivo, apoiante de António Costa nas primárias do PS, e que anunciou a impugnação do acto eleitoral e para os delegados ao congresso federativo.

Mário Ruivo acusou a Comissão Organizadora do Congresso de não ter cumprido os prazos na emissão dos cadernos eleitorais e de não lhe ter sido dado acesso a este documento, ao contrário do seu opositor e das duas candidatas às Mulheres Socialistas.

Em Viseu, venceu o antigo presidente da Câmara de Resende António Borges, apoiante de Seguro, com 72,53% dos votos, enquanto Acácio Pinto, apoiante de Costa, obteve 27,47%. Em Santarém, foi reeleito o actual presidente da Federação, António Gameiro, apoiante de Seguro, contra Maria do Céu Albuquerque, apoiante de Costa, conseguindo 507 dos 807 votos de militantes do distrito. Hortense Martins, apoiante de António Costa, venceu a distrital de Castelo Branco, com 57% dos votos, contra 43% de João Paulo Catarino.

No sábado, votaram três federações em que existia um único candidato: José Luís Carneiro, no Porto, apoiante de Seguro nas primárias, Francisco Rocha, em Vila Real, que também apoia o secretário-geral socialista, e António Eusébio, de novo candidato à presidência da Federação do Algarve, apoiante de Costa.

Na votação de sexta-feira, os eleitos que tinham declarado apoio a António Costa foram Marcos Perestrello (Lisboa), Ana Catarina Mendes (Setúbal), Pedro Nuno Santos (Aveiro), José Miguel Medeiros (Leiria), Carlos Miguel (Oeste), Luís Testa (Portalegre) e Capoulas Santos (Évora).

Já os eleitos Mota Andrade (Bragança), José Carpinteiro (Viana do Castelo), José Albano Marques (Guarda) e Pedro do Carmo (Baixo Alentejo) tinham declarado o apoio a António José Seguro nas primárias para escolher o candidato do PS a primeiro-ministro.

Os universos eleitorais das eleições para as federações e das eleições primárias de 28 de Setembro são distintos. Para as federações podiam votar 46.229 militantes socialistas (com quotas em dia), segundo dados oficiais do PS, enquanto para as primárias poderão votar todos os militantes socialistas (mesmo sem as quotas em dia) e todos os cidadãos que se inscreverem como simpatizantes até dia 12 de Setembro (mais de 55 mil estavam registados até à passada quarta-feira).
 

Brilhante Dias destaca mais votos para Seguro
Já socialista Eurico Brilhante Dias antecipa eleições primárias "fortemente disputadas" e sublinha que a candidatura de António José Seguro, que apoia, conta com mais votos do que a de António Costa, destacando que no final os simpatizantes é que decidirão.

Brilhante Dias frisa que no caso das comissões políticas das federações os vencedores foram os apoiantes de Seguro (10), contra nove apoiantes de António Costa.

"Temos neste momento presidentes eleitos, delegados aos congressos das federações também eleitos e temos um partido que atribuiu no seu conjunto mais votos àqueles que eram candidatos próximos do Dr. António José Seguro, por uma diferença de 700 votos", disse Brilhante Dias à Lusa, referindo que a candidatura de Seguro leva um avanço em termos de apoiantes de 51,2%, contra 48,8% de António Costa.

Brilhante Dias deu como exemplo o caso de Leiria, em que o candidato a presidente mais próximo de Costa ganhou com uma vantagem de sete votos, enquanto no caso das listas para delegados ao congresso da federação de Leiria a vitória recaiu sobre as estruturas mais próximas de Seguro.

O apoiante de António José Seguro reforçou que o conjunto de votos dos candidatos mais próximos da candidatura de Seguro supera os 15.500 votos e contou com mais votos do que os candidatos próximos de António Costa, o que "é bem uma ilustração de como o partido vive esta fase da sua vida e de como as primárias estão a ser fortemente disputadas por este conjunto de militantes".

"De facto, nas primárias serão naturalmente os simpatizantes a decidir", frisou.

Brilhante Dias disse que "a verdade é que a mobilização trouxe para o terreno o partido" e que este se "encontra fortemente dividido", antecipando "eleições primárias fortemente disputadas".

"O país teve milhares de socialistas nos últimos dois dias a votar, teve um conjunto de presidentes e delegados aos congressos federativos que foram eleitos e quando chegamos ao fim deste processo, a verdade é que o partido tem em votos expressos, uma maioria de votos que apoiou listas ou candidatos a presidentes que estão afetos e que têm vindo a apoiar o candidato António José Seguro", reforçou.

 

Sugerir correcção