Site de música do polémico Kim Dotcom prestes a nascer no Porto

Baboom, criado pelo fundador do Megaupload, vai arrancar no próximo ano. O objectivo é permitir que os artistas independentes consigam fazer dinheiro na Internet.

A equipa do Baboom: Marco Oliveira, Grant Edmundson e Tony Smith
Foto
A equipa do Baboom: Marco Oliveira, Grant Edmundson e Tony Smith Paulo Pimenta

Nada na fachada do edifício estreito e discreto na Avenida da Boavista, no Porto, permite adivinhar que, lá dentro, duas dezenas de pessoas trabalham para criar um serviço de música online de ambição global. Ainda menos se imaginaria que é aquele o prédio onde está em curso a ideia do extravagante Kim Dotcom, um empresário milionário conhecido pelo enorme site de partilha de ficheiros Megaupload, pelo estilo de vida opulento e por estar na mira da justiça norte-americana.

No edifício antigo, cujo interior está remodelado num estilo branco e moderno, e que inclui uma cozinha, sala de refeições e uma confortável sala de estar, funciona a Baboom Lda. É a subsidiária portuguesa de uma empresa homónima com sede na Nova Zelândia. A equipa do Porto, encabeçada pelo português Marco Oliveira, é responsável pela componente tecnológica do projecto: cabe-lhes desenvolver a plataforma com a qual músicos independentes e pequenas editoras poderão vir a distribuir e rentabilizar o seu trabalho. O grupo que está a trabalhar na Baboom foi recrutado, há dois anos, numa empresa de Aveiro, com a qual Dotcom já tinha trabalhado.

O presidente executivo da Baboom, Grant Edmundson, é cauteloso ao associar Dotcom ao projecto. “O Kim é um visionário. A ideia é dele e tem de receber crédito por isso. Mas não tem qualquer papel na gestão da empresa. Eu só falei com ele três ou quatro vezes”, diz o executivo, numa conversa com o PÚBLICO, nas instalações da subsidiária portuguesa.

Para além de ter tido a ideia, Dotcom controla indirectamente 45% do capital da Baboom, através de um fundo de família (o empresário, de 40 anos, esteve até há pouco tempo casado com uma jovem ex-modelo filipina, com quem teve cinco filhos). O resto do capital está na mão de outros investidores, nenhum dos quais português. A empresa está até a ponderar uma entrada na bolsa australiana, mas a data não está decidida. “Há accionistas com ideias diferentes sobre isso”, diz Edmundson.

O conceito do Baboom – que vai concorrer com nomes conhecidos, como o Spotify – é dar liberdade aos artistas e editoras para determinarem a forma como querem ver o seu trabalho distribuído. Haverá uma modalidade de venda de música em streaming e uma outra que permitirá descarregar as canções. Os utilizadores poderão também ouvir música gratuitamente, num esquema rentabilizado com publicidade, como é habitual neste género de ofertas. E a plataforma permitirá ainda a venda online de bilhetes e de merchandising.

Os artistas e editoras poderão escolher as modalidades que preferem e, se for caso disso, terão margem para determinar os preços. Terão também informação sobre como e onde a música é consumida. “O negócio do streaming está caótico”, considera Edmundson, referindo-se ao facto de os artistas terem de se promover em várias redes sociais, e venderem depois a música noutras plataformas, em moldes que são estas que determinam. “O nosso objectivo é dar aos artistas o que eles querem”. 

O plano da Baboom prevê que a companhia seja rentável um ano após o lançamento. Para isso, são precisos entre 800 mil e 1,2 milhões de utilizadores. O modelo de negócio dá aos artistas aproximadamente 90% das receitas, uma fatia significativamente acima da que é tipicamente concedida pelas plataformas de música digital. O Spotify, por exemplo, entrega cerca de 70% das receitas às entidades gestoras de direitos, que depois as distribuem pelos artistas, com base na frequência com que cada um é ouvido.

O novo serviço de música deverá ser lançado no primeiro trimestre do próximo ano, num número limitado de mercados, dos quais Portugal faz parte. Ao mesmo tempo que prepara o lançamento, a Baboom vai construindo a equipa. Em Julho, contratou para director financeiro um veterano do sector, Tony Smith, que era até então responsável pelas contas da Sony na Austrália e na Nova Zelândia.

Em Janeiro, já tinha sido lançado um protótipo, com um único artista: o próprio Dotcom. Foi a estreia musical do polémico empresário e uma manobra que garantiu o interesse dos media. Não passou despercebida a ironia de alguém que é acusado de ter facilitado a partilha de música em larga escala estar agora à procura de um modelo de negócio para os músicos da era digital. 

Kim Dotcom (que nasceu na Alemanha e se chamava Kim Schmitz) ficou conhecido sobretudo pelo caso do site Megaupload, onde era frequente a partilha de ficheiros sem autorização dos autores. Foi encerrado no início de 2012 pelo Departamento de Justiça norte-americano. Dotcom vive numa gigantesca mansão na Nova Zelândia e, desde então, tem travado uma batalha legal para evitar a extradição para os EUA. Tornou-se um activista de defesa das liberdades online e decidiu este ano participar na criação de um partido político.

Questionado sobre a influência de Dotcom na imagem da empresa, Edmundson argumentou haver três tipos de pessoas. “As que acham que ele é um criminoso, as que acham que é um visionário e muitas que não sabem ou não querem saber”. E adiantou que a empresa se prepara para uma nova contratação: um presidente não executivo com peso suficiente para ser o protagonista da Baboom. Não quis revelar o nome.