Sporting volta a marcar na Luz, mas ainda não foi desta que venceu

O Benfica chegou a estar em vantagem no "derby", mas os "leões" responderam bem e aproveitaram uma falha de Artur.

Foto
Foto: Patrícia de Melo Moreira/AFP

Acima de tudo, as duas equipas proporcionaram uma partida intensa, que não desiludiu ninguém nas bancadas preenchidas da Luz. O Benfica marcou primeiro, logo aos 12’, mas um erro clamoroso de Artur, oito minutos depois, acabou por permitir o golo do empate a Slimani, sem mais mexidas no marcador até ao último apito de Pedro Proença. Não faltaram oportunidades para mais festejos, num derby que poderá ter marcado a despedida de alguns jogadores de ambas as equipas, que aguardam por esta segunda-feira, o último dia do mercado de transferências, para definir o seu futuro.

Slimani foi a novidade de Marco Silva para o clássico lisboeta. O avançado argelino estreou-se, após um início de temporada conturbado, que lhe valeu uma acção disciplinar após se ter recusado a treinar para pressionar uma transferência. O episódio foi ultrapassado e o técnico “leonino” elegeu neste domingo o jogador como principal referência atacante, relegando para o banco Montero, titular nas duas primeiras jornadas. A ideia seria explorar o bom jogo aéreo de Slimani e o atacante ia correspondendo logo a abrir o encontro, com um cabeceamento que acabou por sair ao lado.

A partida começou intensa, com o Benfica a responder prontamente ao lance de perigo do adversário. Rui Patrício foi testado aos 6’ e correspondeu com duas boas defesas a remates de Talisca e Luisão, mas seria impotente para travar a melhor jogada “encarnada” na primeira metade, aos 12’.

Um lance envolvente do ataque da equipa da casa, com Salvio a entrar na área pela direita e a atrasar para Maxi Pereira, com o lateral a tocar para Gaitán que, em zona frontal, atirou para as redes. Tudo perante a passividade da defesa “leonina”.

Os “leões” procuraram reagir à desvantagem e contaram com o contributo de um “aliado” inesperado para chegar ao empate, aos 20’. Artur recebeu um atraso de Eliseu e, quando procurou despachar a bola, atirou-a contra as costas de Carrillo, acabando esta por saltitar em cima da linha de golo, antes de Slimani confirmar o 1-1.

Foto

Nos bancos das duas equipas, dois jogadores sentiram as consequências deste lance acidentado. Do lado “encarnado”, o guarda-redes Júlio César, que poderá ter garantido já para a próxima jornada a titularidade da baliza; do lado “leonino”, Montero, que não marca desde Dezembro do ano passado e que deverá permanecerá fora do “onze” nas próximas rondas. Isto apesar de Slimani ter desperdiçado outro golo claro, aos 30’, permitindo a defesa de Artur com tudo para marcar.

Se o Sporting desperdiçou o segundo golo ainda na primeira parte, o Benfica reservaria para o segundo tempo um festival de ocasiões perdidas, com muitos brindes da defesa adversária pelo meio. Com uma entrada determinada e imprimindo grande velocidade ao jogo, com rápidas transições atacantes, a equipa da casa começou a esbanjar logo aos 49’, com Salvio a falhar o alvo, após um cruzamento de Gaitán. Os seus companheiros não fizeram melhor nos minutos seguintes, ou por falta de pontaria ou pela oposição de Rui Patrício: Talisca (62’), André Almeida (64’) e novamente Salvio (66’ e 78’).

Entre estas duas últimas perdidas do argentino, os “leões” conseguiram respirar um pouco e levar perigo pela primeira vez, desde o reatamento, à baliza de Artur. Jefferson testou os reflexos do guarda-redes brasileiro, de livre, aos 71’, mas seria Slimani a ter a grande oportunidade do Sporting para resolver o encontro, aos 89’, valendo uma nova intervenção de Artur para manter a igualdade.