Casos de ébola poderão passar os 20 mil, diz a OMS

Plano de combate ao ébola da Organização Mundial da Saúde apresentado em Genebra. Serão necessários cerca de 371 milhões de euros nos próximos seis meses.

Enfermeiros com um fato e máscara de protecção vão buscar um doente de ébola em Monróvia, na Libéria
Foto
Enfermeiros com um fato e máscara de protecção vão buscar um doente de ébola em Monróvia, na Libéria AFP

O número de casos de ébola poderá ultrapassar os 20.000, soube-se esta quinta-feira em Genebra, onde foi divulgado o plano da Organização Mundial da Saúde em Genebra (OMS) de combate à epidemia para os próximos seis meses.

“O número de casos de febre hemorrágica do vírus ébola poderá ultrapassar os 20.000”, segundo a OMS, citada pela agência AFP. O surto continua a progredir “de uma forma alarmante”.

Desde o início do surto, que afecta a África Ocidental, já adoeceram 3069 pessoas e já morreram 1552, de acordo com a actualização desta quinta-feira da OMS e que contabiliza casos até 26 de Agosto. “O surto continua a acelerar. Mais de 40% do número total de casos ocorreram nos últimos 21 dias. No entanto, a maioria dos casos estão concentrados em apenas algumas localidades”, lê-se no comunicado. A actualização anterior reunia números até 20 de Agosto. Em seis dias houve 454 casos novos e 125 mortes.

O plano para os próximos seis meses, uma espécie de roteiro para combater a pior epidemia de sempre do ébola, vai passar por “inverter a tendência de novos casos e de novas zonas com infectados dentro de três meses, de parar a transmissão nas capitais e grandes cidades portuárias e de parar toda a transmissão residual dentro de seis a nove meses”, cita a AFP.

Segundo a OMS, serão necessários 490 milhões de dólares (371,47 milhões de euros) nos próximos seis meses para pôr o plano em prática.

A febre hemorrágica do ébola é causada por um vírus cujos hospedeiros naturais deverão ser os morcegos frutívoros que vivem nas florestas de África. O surto em que se identificou pela primeira vez o vírus ocorreu em 1976, no Norte da República Democrática do Congo, ex-Zaire, perto do rio Ébola. Não há medicamentos ou vacinas confirmadas contra o vírus, que pode chegar a ter uma taxa de mortalidade de 90%.

A actual epidemia, cuja mortalidade ronda os 50%, iniciou-se no Sul da Guiné-Conacri em final de Dezembro e espalhou-se para a Libéria, a Serra Leoa e depois para a Nigéria, onde já morreram, respectivamente, 430, 694, 422 e seis pessoas.