Centenário de Julio Cortázar celebrado em todo o mundo

A grande exposição Los Otros Cielos, que se inaugura nesta terça-feira no Museu Nacional de Belas Artes de Buenos Aires, é a mais ambiciosa das muitas iniciativas que estão a assinalar, um pouco por todo o mundo, o centenário do escritor argentino Julio Cortázar, autor de Histórias de Cronópios e de Famas (1962) e do romance experimental Rayuela (1963).

Fotogaleria
Julio Cortázar com a sua gata Franelle, em Paris, uma das fotografias da exposição Autor anónimo/Fundo Aurora Berna Centro Galego Artes da Imaxe
Fotogaleria
Julio Cortázar em 1943 Autor anónimo
Fotogaleria
Julio Cortázar na Unesco em Paris, 1959 Jose Gilabert
Fotogaleria
Julio Cortázar em 1967 Sara Facio
Fotogaleria
Julio Cortázar no seu escritório em Paris em 1981 Andre GIRARD
Fotogaleria
Fotografado por Carol Dunlop na auto-estrada Paris-Marselha em 1982 Carol Dunlop
Fotogaleria
Julio Cortázar em 1983 Carlos Bosch

Ponto alto do Ano Cortázar 2014, o programa de comemorações que o Estado argentino está a promover para celebrar o centenário de Julio Cortázar, a exposição Los Otros Cielos – cujo nome ecoa o título de um dos contos do livro Todos os Fogos o Fogo (1966) – atravessa toda a vida de Cortázar através dos arquivos pessoais que o autor deixou, e que incluem documentação vária, correspondência, fotografias, e mesmo filmes domésticos, rodados em super-8 e nunca antes mostrados no país, ou os móveis que o autor possuía na sua casa de Saignon, no Sul de França.

Organizada em 12 núcleos temáticos, a exposição que se inaugura nesta terça-feira no Museu Nacional de Belas Artes (MNBA) de Buenos Aires – no dia em que se cumprem exactamente cem anos sobre o nascimento do escritor em Ixelles, nos arredores de Bruxelas – está organizada de modo a tanto poder ser vista por uma ordem preestabelecida como de forma aleatória. Opção que decerto agradaria ao autor de Rayuela – o monumental romance experimental de Cortázar (edição portuguesa da Cavalo de Ferro, com o título O Jogo do Mundo – Rayuela), que também pode ser percorrido de vários modos, cada um deles correspondendo a uma obra diferente. Se se começar na primeira página, há um livro que acaba no capítulo 56, mas também é possível iniciar-se a leitura no capítulo 73 e, a partir daí, seguir-se as indicações deixadas no final de cada capítulo para se saber o que se deve ler a seguir.

O curador de Los Otros Cielos, Juan Becerra, explica que a exposição pretendeu corresponder à versatilidade do próprio Cortázar. “Foi um contista, um romancista, um viajante, um agitador político, um crítico de arte, um poeta”, disse Becerra à agência EFE, explicando que tentou “reconstruir essa figura cheia de matizes e que continua a cativar as novas gerações de leitores”.

Becerra vê em Cortázar “um escritor que se move como um aventureiro, que tem algo de Che Guevara e de Tintin”, e tentou que a exposição reflectisse essa sua característica: “Se há uma ideia geral que possa reunir numa só órbita os planetas que compõem Los Otros Cielos, é a ideia de inquietude.”

Complementando esta exposição, o MNBA inaugura também nesta terça-feira uma segunda mostra, intitulada Los Fotógrafos: Ventanas [janelas] a Julio Cortázar, que dá a ver o escritor através do olhar de fotógrafos profissionais, como o espanhol Antonio Gálvez ou as argentinas Sara Facio e Alicia D’Amico.

O programa de comemorações do centenário daquele a quem o ficcionista mexicano Carlos Fuentes, sublinhando o carácter revolucionário da sua obra, chamou “o Simón Bolívar do romance” incluirá um congresso internacional na Biblioteca Nacional argentina, Lecturas y Relecturas de Julio Cortázar, com núcleos temáticos que não esquecerão as muitas paixões de Cortázar, do cinema ao jazz e ao boxe, e ainda o programa RompeCortázar, no Palais de Glace (um edifício de Buenos Aires que reproduz o estilo francês da Belle Époque), que reúne trabalhos de escritores e artistas visuais a partir de oito histórias breves do autor de Bestiário (1951) e de outros volumes de contos, como As Armas Secretas (1959) ou Queremos Tanto a Glenda (1980). Os dois últimos acabaram de ser lançados em Portugal pela Cavalo de Ferro.

Também a Fundação José Saramago não quis deixar passar em claro o centenário de Cortázar, e dedica-lhe o número de Agosto da revista Blimunda (que pode ser descarregada gratuitamente), publicando um texto de Carlos Fuentes sobre o amigo argentino, um artigo de Dulce María Zuñiga, a coordenadora da cátedra Julio Cortázar na universidade mexicana de Guadalajara, uma entrevista com o catalão Carles Álvarez Garriga, um dos grandes especialistas na obra de Cortázar e organizador do livro póstumo Papéis Inesperados (2009), e um texto do jornalista brasileiro Ricardio Viel sobre os cem anos do “maior cronópio de todos” (os amigos e admiradores de Cortázar chamavam-lhe afectuosamente Cronópio-Mor).

E foi precisamente nas Histórias de Cronópios e de Famas que o cineasta argentino Julio Ludueña se inspirou para o seu filme de animação homónimo, que se estreia na quinta-feira em Buenos Aires.

Julio & Carol

Já em fase de conclusão está também o documentário Julio & Carol, do canadiano Tobin Darlymple, que investigou a história de amor de Cortázar e da sua segunda mulher, a escritora, activista e fotógrafa americana Carol Dunlop, com quem o escritor viveu em Paris. Darlymple recolheu um grande número de testemunhos e teve a sorte de conseguir encontrar a velha furgoneta Volkswagen Kombi em que Cortázar e Carol fizeram a viagem pela auto-estrada Paris-Marselha que está na origem do livro que o casal escreveria a meias: Los Autonautas de la Cosmopista (1982).

Dunlop morreu em Novembro de 1982, deixando Cortázar mergulhado numa profunda depressão. O escritor viria a morrer a 12 de Fevereiro de 1984, vitimado, segundo a certidão de óbito, por uma leucemia. As causas das mortes de ambos continuam, no entanto, a gerar controvérsia. A escritora uruguaia Cristina Peri Rossi, que foi amiga do casal, afirma que Cortázar foi acidentalmente infectado com o vírus da sida (numa altura em que a doença era ainda quase desconhecida) durante uma transfusão de sangue, tendo depois contagiado a mulher.

Nascido casualmente perto de Bruxelas – o pai trabalhava na embaixada da Argentina na Bélgica – a 26 de Agosto de 1914, quando a cidade, em plena primeira guerra, estava ocupada pelos alemães, Julio Cortázar viveu ainda na Suíça e em Barcelona antes de a família regressar à Argentina, quando tinha quatro anos. O pai abandonou a família logo a seguir, de modo que foi educado pela mãe, uma grande leitora, que lhe dava a ler Júlio Verne, Victor Hugo ou Edgar Allan Poe.

Cortázar foi professor de literatura e tradutor na Argentina, tendo começado a publicar contos em revistas nos anos 1930 e 40. Os seus primeiros livros, os poemas em prosa de Presencia (1938) e a peça Los Reyes (1949, foram assinados com um curioso pseudónimo: Julio Denis. Descontente com o regime de Perón, decide radicar-se em Paris em 1951, no mesmo ano em que edita Bestiário. Embora tenha viajado muito, Paris será a sua cidade até ao final da vida.

Em 1953 casou-se com a tradutora argentina Aurora Bernárdez, de quem se separaria em 1967 para ir viver com a lituana Ugné Karvelis, com quem nunca chegou a casar-se. Em 1981, casou-se com a já referida Carol Dunlop.

A obra de Julio Cortázar revolucionou a ficção contemporânea e garantiu-lhe, na literatura argentina do século XX, um lugar só comparável ao de Jorge Luis Borges. Mas se os talentos literários de ambos foram equiparáveis, o autor de Rayuela distinguia-se bastante de Borges nas simpatias políticas, tendo apoiado os sandinistas na Nicarágua, a revolução cubana ou o Governo de Salvador Allende no Chile.

Bastante traduzida e editada em Portugal, primeiro pela Estampa, depois por várias editoras, e mais recentemente pela Cavalo de Ferro, a obra de Cortázar inclui alguns romances, com destaque para o monumental Rayuela, e vários livros de contos. Uma das suas histórias, As Babas do Diabo, inspirou o filme Blow-up, de Michelangelo Antonioni. Está recolhida em As Armas Secretas, que inclui ainda um conto dedicado aos últimos días do músico de jazz Charlie Parker.

Como ficcionista é considerado um dos fundadores do chamado boom da literatura latino-americana, e tem sido aproximado do realismo mágico, ainda que livros como Histórias de Cronópios e de Famas o aproximem mais do surrealismo. A influência de Joyce e de outros modernistas europeus e norte-americanos é também mais notória em Cortázar do que na generalidade dos grandes romancistas latino-americanos da sua geração.

Escreveu ainda vários livros de poesia, peças de teatro, ensaios e outros textos mais difíceis de catalogar. Devem-se-lhe ainda traduções espanholas da obra completa de Edgar Allan Poe, do Robinson Crusoe, de Daniel Defoe, e das Memórias de Adriano, de Marguerite Yourcenar.